OS DRUÍDAS

“QUANDO ESTUDAMOS SOBRE OS DRUÍDAS, TEMOS

DE ESQUECER NOSSA RAZÃO E EMBARCAR NUM

MUNDO DIFERENTE, MÁGICO, FANTÁSTICO, DE UM

POVO INCRÍVEL E MISTERIOSO”

1 9 9 7 – 3 3 5 0

Quem eram os druidas ? – O que melhor se pode dizer é que os druidas foram membros de uma elevada estirpe de Celtas que ocupavam o lugar de juizes, doutores, sacerdotes, adivinhos, magos, médicos, astrônomos, etc. mas que evidentemente não constituíam um grupo étnico dentro do mundo Celta. Eram grandes conhecedores da ciência dos cristais.

As mulheres célticas gozavam de mais liberdades e direitos do que as de outras culturas contemporâneas, incluindo-se, até mesmo, o direito de participarem de batalhas, e de solicitarem divórcio. Neste contexto havia mulheres druidas. Na cultura druídica, portanto, a mulher tinha um papel preponderante pois era visa como a imagem da Deusa.

No contexto religioso os druidas eram sacerdotes e sacerdotisas dedicados ao aspecto feminino da divindade, a Deusa Mãe. Embora cultuassem a Deusa Mãe mesmo assim admitiam que todos os aspectos expressos a respeito da Divindade eram ainda percepções imperfeitas do Divino. Assim, todos os deuses e deusas do mundo nada mais eram do que aspectos de um só Ser Supremo – qualquer que fosse a sua denominação visto sob a ótica humana.

A palavra druida é de origem céltica, e segundo o historiador romano Plínio – o velho, ela está relacionada com o carvalho, que na realidade era uma árvore sagrada para eles.

Desde que o povo celta não usava a escrita para transmitir seus conhecimentos, após o domínio do cristianismo perdeu-se muito das informações históricas daquela maravilhosa civilização e especialmente das que a precederam deste o fim da Atlântida, exceto aquilo que permaneceu zelosamente guardado nos registros de algumas Ordens Iniciáticas, especialmente a Ordem Céltica e a Ordem Druídica. Por isto muito da historia dos Druidas até hoje é um mistério para os historiadores oficiais; sabem que realmente que existiu entre o povo Celta mas que não nasceram nesta civilização. Sendo assim impõe-se a indagação: de onde vieram os Druidas? Seriam Deuses? Ou Bruxos? O pouco que popularmente é dito a respeito dos druidas tem como base diversas lendas, como a do Rei Arthur, onde Merlin era um druida.

Diversos estudiosos tem argumentado que os Druidas originariamente pertenceram à pré-céltica (não Ariana) população da Bretanha e da Escócia.

Desde o domínio romano, instigado pelo catolicismo, a cultura druídica foi alvo de severa e injusta repressão, que fez com que fossem apagados quaisquer tipos de informação a respeito dela embora que na historia de Roma conste que Júlio César reconhecia a coragem que os druidas tinham em enfrentar a morte em defesa de seus princípios.

Os Druidas dominavam quase todas as áreas do conhecimento humano, cultivaram a musica, a poesia, tinham notáveis conhecimentos de medicina natural, de fitoterapia, de agricultura e astronomia, e possuíam um avançado sistema filosófico muito semelhante ao dos neoplatônicos. O povo celta tinha uma tradição eminentemente oral, não faziam uso da escrita para transmitir seus conhecimentos fundamentais, embora possuíssem uma forma de escrita mágica conhecida pelo nome de escrita rúnica. Mesmo não usando a escrita para gravar seus conhecimentos eles possuíram suficiente sabedoria a ponto de influenciarem outros povos e assim marcar profundamente a literatura da época, criando uma espécie de aura de mistério e misticismo.

A Igreja Católica, inspirada pela Conjura, demonstrou grande ódio aos Druidas que, tal qual outras culturas, foram consideradas pagãs, bruxos terríveis, magos negros que faziam sacrifícios humanos e outras coisas cruéis. Na realidade nada disso corresponde à verdade, pois quando os primeiros cristãos chegaram naquela região foram muito bem recebidos, até porque a tradição céltica conta que José de Arimatéia discípulo de Jesus viveu entre eles e levado até lá o Santo Graal (Taça usada por Jesus na Última Ceia).

Em torno disto existem muitos relatos, contos, lendas e mitos, especialmente ligados à Corte do Rei Arthur e a Távola Redonda. São inúmeros os contos, entre eles, aqueles relativos à Corte do Rei Arthur, onde vivera Merlin, o mago, e a meia-irmã de Arthur, Morgana, que eram Druidas.

A religião druídica na realidade era uma expressão mais mística da religião céltica. Esta era mais mágica, por isso mais popular, com formas de rituais mais rústicos, e muito mais ligado à natureza ambiental, à terra que era tratada com carinho bem especial. A mais popular das expressões religiosas dos celtas constituiu-se a Wicca, que o Catolicismo fez empenho em descrever como um conjunto de rituais satânicos.

São freqüentemente os festivais célticos. Para eles o ano era dividido em quatro períodos de três meses em cujo início de cada um havia um grande festival. Eram eles:

Imbolc – celebrado em 1 de fevereiro e era associado à deusa Brigit, a Mãe-Deusa protetora da mulher e do nascimento das crianças;

Beltane – celebrada em 1 de maio. (também chamado de Beltine, Beltain, Beal-tine, Beltan, Bel-tien e Beltein) Significa “brilho do fogo”. Este festival, muito bonito, era marcado por milhares de fogueiras;

Lughnasadh – (também conhecido como Lammas), dedicado ao Deus lugh, celebrado em 1 de agosto;

Samhain – a mais importante das quatro festas, celebrada em 1 de novembro. Hoje associada com o Hallows Day, celebrado na noite anterior ao Hallowen.

Basicamente a doutrina céltica enfatizava a terra e a deusa mãe enquanto que os Druidas mencionavam diversos deuses ligados às formas de expressão da natureza; eles enfatizavam igualmente o mar e o céu e acreditavam na imortalidade da alma, que chegava ao aperfeiçoamento através das reencarnações. Eles admitiam como certa a lei de causa e efeito, diziam que o homem era livre para fazer tudo aquilo que quisesse fazer mas que com certeza cada um era responsável pelo próprio destino, de acordo com os atos que livremente praticasse. Toda a ação era livre, mas traria sempre uma conseqüência, boa ou má, segundo as obras praticadas. Mesmo sendo livre, o homem também respondia socialmente pelos seus atos, pois para isto existia pena de morte aplicada aos criminosos perversos. A Igreja Católica acusava os Celtas e Druidas de bárbaros por sacrificarem os criminosos de forma sangrenta, esquecendo que ela também matava queimando as pessoas vivas sem que elas houvessem cometido crimes, apenas por questão de fé ou por praticarem rituais diferentes… pura ironia!

A crença céltica e druídica diziam que o homem teria a ajuda dos espíritos protetores e sua libertação dos ciclos reencarnatórios seria mais rápida assim. Cada pessoa tinha a responsabilidade de passar seus conhecimentos adiante, para as pessoas que estivessem igualmente aptas a entenderem a lei de causa e efeito, também conhecida atualmente como lei do carma.

Não admitiam que a Divindade pudesse ser cultuada dentro de templos constituídos por mãos humanas, assim, faziam dos campos e das florestas , principalmente onde houvesse antigos carvalhos, os locais de suas cerimônias.

Em vez de templos fechados eles reuniam-se nos círculos de pedra, como se vêem nas ruínas de Stonehenge Avebury, Silbury Hill e outros.

Enquanto em alguns dos festivais célticos os participantes o faziam sem vestes os Druidas, por sua vez, usavam túnicas brancas. Sempre formavam os círculos mágicos visando a canalização de força.

Por não usarem roupas em alguns festivais e por desenvolverem ritos ligados à fecundidade da natureza, por ignorância, por má fé ou mesmo por crueldade dos padres da Igreja, Celtas foram terrivelmente acusados de praticarem rituais libidinosos, quando não realidade tratava-se de ritos sagrados.

A CIÊNCIA DOS DRUÍDAS.

” O HOMEM É MODESTO NAS PALAVRAS

E EXCEPCIONAL NOS ATOS “.

CONFÚCIO

1 9 9 7 – 3 3 5 0

Embora os Druidas somente neste milênio haja se apresentado publicamente, contudo a atuação deles é muitíssimo mais antigo do que se pensa. Em algumas palestras já dissemos que antes da Atlântida ser tragada pelo oceano muito das pessoas que lá viviam migraram, e que uma das correntes migratórias foi habitar no oeste da Europa. Com certeza os desse grupo foram os Druidas, mas que por milênios viveram sem desenvolverem uma civilização, mesmo assim conservando a ciência trazida do Continente submerso.

Os Druidas tinham grandes conhecimentos astronômicos como se pode ver pelos círculos de pedra. Aquelas construções tinham dupla finalidade, a de servir como centros de força telúricas e siderais para a realização dos rituais e, ao mesmo tempo, também, ao mesmo tempo funcionavam também como observatórios, especialmente dedicados à marcação das efemérides anuais, ou seja, eram calendários por meio do que o povo pudesse evidenciar a posição do Sol e de algumas estrelas em relação com determinados monumentos e assim pudesse saber das datas festivas, do início dos períodos próprios para início do plantio, etc. Contudo, este se constituía um uso secundário e popular, pois na realidade aquelas construções diziam respeito à utilização das forças telúricas e siderais, e em especial aquelas forças ligadas as ciências dos cristais, trazidas para a Europa pelos emigrantes da Atlântida.

Os Druidas foram considerados magos, feiticeiros, especialmente em decorrência dos conhecimentos que eles tinham de medicina, do uso das plantas medicinais, do controle do clima, etc. Eram capazes de provocar manifestações telúricas e siderais, provocar ou fazer cessar chuvas, isto, é, controlar o ritmo das chuvas, de desviar furacões e ciclones, controlar as marés, atenuar os tremores de terra e as erupções vulcânicas, alem de outros fenômenos climatológicos. Isto eles dominavam bem e procediam em parte com o uso de cristais e em parte pela ação da mente, evidentemente com um poder muito ampliado graças aos rituais procedidos em lugares de força, como Stonehenge e outros círculos de pedra. Os mesmo os Egípcios e os predecessores dos Maias faziam através das pirâmides e dos obeliscos. Embora os egípcios tivessem grandes conhecimentos do uso da energia mental ampliada, mesmo assim eles usavam mais expedientes físicos, como o uso dos cristais e coisas semelhantes.

Evidentemente, os Druidas preocupavam-se mais com o lado pratico da vida, com a fertilidade dos campos e com o desenvolvimento espiritual do que propriamente com o desenvolvimento técnico.

Teologicamente o druidismo é bastante similar à Wicca; desde que visava essencialmente uma forma de relação com a Mãe Natureza, incentivando a dignidade, a liberdade, e a responsabilidade da humanidade, e coisas assim. Os Druidas celebram suas cerimônias principais nas mesmas datas em que os celtas efetivavam seus festivais. Contudo os rituais são diferentes em muitos detalhes mas visam o mesmo objetivo que muitos outros rituais classificados pelas Igrejas Cristãs derivadas do Ortodoxismo, como ritos pagãos. Na realidade visavam estabelecer um elo de ligação sagrado entre o homem e a natureza, criar um espaço sagrado, visando à invocação da Deidade, celebrando cerimônia não em templos mas em contacto direto com a natureza, criando e intensificando assim um elo entre a Deusa Mãe e a comunidade.

A ciência dos Druidas encerrava muitos mistérios e durante séculos tem se comentado a respeito de Avalon, uma maravilhosa “ilha encantada”, lugar de grandes mistérios.

Não se pode dizer que Stonehenge, Glastonbury e outros sítios megalíticos hajam sido construídos pelos Druidas deste milênio, eles apenas usaram o que os seus antepassados construíram. A datação pelo carbono-14 mostra que aquelas construções são anteriores à fase clássica do Druidismo. Isto é verdade pois foram construídos logo depois da chegada dos Atlantes àquelas plagas. Na realidade foram construídos, e ainda existem centenas de círculos de pedra especialmente na Bretanha e na Escócia.

Embora os Celtas e Druidas não fizessem uso intenso da linguagem escrita, especialmente para transmitir seus conhecimentos, mesmo assim eles tinham uma escrita expressa sob a forma de um alfabeto conhecido por alfabeto rúnico. As runas são símbolos gráficos com os quais podem ser gravados sons, palavras, mas o principal uso dos desenhos, as runas, é de natureza mágico. Bem mais que o alfabeto hebraico as runas são símbolos evocativos de poderes e representam para o druidismo o que o alfabeto hebraico representa para a Cabala.

Podemos dizer que as runas encerram poderes idênticos aos das letras hebraicas mais os do I Ching. No sistema hebraico as letras, além dos valores simbólicos, elas têm valores numéricos segundo a vibração de cada uma, do som de cada uma. As letras hebraicas geralmente não são utilizáveis aleatoriamente como arte adivinhatória, só acontecendo isto quando elas são distribuídas na Árvore da Vida, ou em determinadas figuras geométricas. Por sua vez os trigramas que constituem o I Ching podem ser manipulados aleatoriamente com o objetivo de adivinhação, de previsão, e coisas assim. Isto acontece também com as runas, elas preenchem os dois objetivos comportando-se quer como o alfabeto hebraico quer como os trigramas do I Ching.

As runas têm o poder de canalizar as forças mentais, de projetar a mente da pessoa a um nível ampliado de consciência e daí a captação de conhecimentos ocultos, de conhecimentos velados, de situações afastadas no espaço e no tempo.

As propriedades mágicas das runas eram usadas Celtas e Druidas como forma de saber o passado e o futuro. Essa arte ainda hoje é muito praticada mas tenhamos em mente que a quase totalidade daqueles que se anunciam como adivinhos rúnicos na verdade são enganadores, que vivem comercializando uma arte sagrada. Trata-se de um sistema milenar cujos conhecimentos são secretos, cujo domínio é reservado somente aos iniciados.

Na atualidade ouvem-se falar muito de tal e de qual sociedade druídica ou céltica; na realidade elas existem mas não se anunciam; o ingresso a elas é mediante convite, isto é, não é a pessoa quem procura as Ordens mas sim são elas que de alguma forma especial contactam as pessoas devidamente preparadas. Com certeza os anúncios que são vistos em revistas e jornais de nenhuma forma são autênticas, via de regra são organizações de aproveitadores que visam basicamente dinheiro.

Na Inglaterra e países nórdicos existem diversas organizações druídicas sérias, mas somente uma delas é devidamente credenciada para conferir graus iniciáticos.

O PAPEL DOS DRUÍDAS

” O MESTRE SABE COMO EXERCER PROFUNDA

INFLUÊNCIA SEM FORÇAR PARA QUE AS COISAS

ACONTEÇAM ”

TAO TE KING – VERSO 58

1 9 9 7 – 3 3 5 0

O Druidismo no período céltico, de uma certa maneira, pode ser considerado uma casta dedicada às ciências antigas concomitantemente também uma forma, por assim dizer, mais refinada de uma religião básica; não que houvesse discrepâncias entre as formas seguidas pelo povo em geral, a Wicca, e pelos Druidas. De uma certa forma podemos dizer que a Wicca representava o lado exotérico; enquanto que o Druidismo, o lado esotérico.

A Wicca era de uso comum, todos dela participavam, muitas pessoas a praticavam a modos próprios e, assim sendo, havia muitas variações não só no que dizem respeito aos rituais mas também quanto às finalidades. Os rituais tinham por objetivo a canalização de forças da natureza mas, como diz a expressão rosacruz “a lei sempre cumpre”, então o resultado deles podia ser de natureza negativa ou positiva. Sendo forças elas direcionadas visando os mais diversos fins, quer estes fossem negativos ou positivos, isto dependia do tipo de ritual e das intenções das pessoas que deles participavam.

Pelo que dissemos, é fácil se entender o porquê dos padres da Igreja Católica terem tido material suficiente para acusarem religião céltica de pagãs e para colocar os sacerdotes celtas, especialmente as sacerdotisas, nos bancos de réu da inquisição e cujos veredictos sempre eram a condenação à morte na fogueira. Mas temos que entender, se houveram desmandos nem por isto honestamente podia-se dizer que a base da Wicca era negativa por ser ela também praticada de uma forma negativa. Isto não queria dizer que ela fosse essencialmente negativa. Tudo tem duas faces, há sempre o lado oposto das coisas; portanto condenar sistematicamente a Wicca é o mesmo que se condenar o catolicismo por existir o oposto da missa praticado pelos satanistas e denominado de missa negra; assim como não se pode condenar o espiritismo por existirem invocações satânicas em determinados ritos. Isto tudo é uma decorrência da duplicidade, da polaridade das coisas.

Quanto mais liberal, quanto menos controle centralizado existir sobre uma religião, tanto mais subdivisões ela terá. Vão se formando múltiplas seitas com os mais diferentes objetivos, muitas vezes diferindo uma das outras apenas por uma singela interpretação de um versículo bíblico. Isto podemos ver na atualidade no que diz respeito ao Protestantismo cujo número de cultos e denominações específicas perfaz um elevado número. O mesmo acontece com relação ao Espiritismo, todo dia surgem seitas espíritas diferentes. Enquanto isso, o mesmo não acontece com tanto facilidade no Catolicismo, ele quase não se divide, exatamente por existir uma centralização em Roma, por haver um controle central sobre as atividades pastorais, sobre as divulgações em matéria de fé, e sobre a liturgia.

Como na civilização Céltica não havia qualquer tipo de um controle central, conseqüentemente a Wicca era praticada livremente, não existia uma direção centralizada, uma administração controladora; podendo cada pessoa praticá-la a seu próprio modo, segundo sua maneira pessoal e esta nem sempre tinha um objetivo positivo.

Os celtas conheciam bem os princípios ligados não apenas à energia sutil, mas também à energia dos cristais, às correntes de energia telúricas e a outras formas de energia. Assim sendo os rituais da Wicca revestiam-se de manifestações de grandes poderes daí haver uma ambigüidade perigosa nos ritos praticados, pois a energia é a mesma quer seja direcionada negativa, quer positivamente como é o certo.

Na verdade na religião céltica, na Wicca, havia iniciações, contudo não implicava que ela fosse praticada por qualquer uma pessoa independentemente de ser, ou de não ser ela, uma iniciada.

Enquanto a religião popular, a Wicca, apresentava-se descentralizada e praticada independentemente por inúmeros grupos, dava-se exatamente o inverso no Druidismo. Este sistema era rigidamente baseado em iniciações rigorosas, havia princípios rígidos a serem cumpridos, e o conhecimento dos métodos de atuação sobre a natureza eram de uso exclusivo dos sacerdotes, sacerdotisas e iniciados.

Os conhecimentos dos Druidas sobre as ciências antigas iam muitos além daquilo que o celtismo praticava. Na realidade grande parte daquilo que foi levado da Atlântica para a Europa ficou restrito a ensinamentos transmitido de boca a ouvido e assim mesmo transmitido apenas às pessoas devidamente preparadas. Havia um domínio sobre a ciência antiga exercida por iniciados de grande responsabilidade. Um rígido sistema iniciático fez com que os maiores ensinamentos oriundos da Atlântida permanecessem velados. Contudo, com o transcorrer dos séculos, alguns conhecimentos foram escapando e sobre isto foi se construído uma forma popular de religião, que mais tarde transformar-se-ia na Wicca.

Durante milênios os conhecimentos da Atlântida ficaram a disposição apenas de grupos de iniciados que, já numa fase bem recente, vieram a se unificar sob o nome de Druidas. Estes, portanto, foram os guardiões dos conhecimentos arcanos deixados pelos atlantes milênios antes.

Boa parte dos conhecimentos dos atlantes, mesmo que hajam sido guardados por grupos responsáveis, alguns acabaram escapando do controle e tornando-se do conhecimento de pessoas comuns, originando-se desta forma algumas seitas célticas, e entre esta a Wicca.

O sistema iniciático que predominou nos descendentes europeus dos atlantes fez com que os maiores ensinamentos permanecessem velados e praticados neste milênio pelos Druidas. Somente com o advento do catolicismo romano foi que o druidismo aparentemente desapareceu, pois na verdade ele sobreviveu e continuou atuante a nível secreto, apenas oculto dos olhos dos profanos, sobre a égide de algumas poucas ordens secretas autênticas druídicas. Um número bem reduzido delas permaneceu atuante até nossos dias e que, por certo, com o advento da Nova Era, se unirão numa única. Parte dos conhecimentos druídicos foram guardados especialmente por serem de grande significação nesta fase que está entrando a humanidade.

Também estão se apresentando publicamente ramos da Wicca e podemos dizer que não serão apenas as que refletem o lado positivo, mas não há pelo que se temer desde que atualmente existe aquele “filtro espiritual” ligado à reencarnação no Terceiro Milênio, de que falamos em temas anteriores, o que não permitirá que se exacerbem tantos sentimentos negativos quanto os que o fizeram na Era de Peixes..

Os ensinamentos druídicos eram bem refinados, seus rituais também eram praticados em lugares de força, nos círculos de pedra, e conduzidos com grande solenidade. Poucos têm ciência do imenso cabedal de conhecimentos que os druidas detinham e que estão voltando em decorrência dos benefícios, quer materiais quer espirituais, que virão beneficiar a humanidade da Nova Era.

Mesmo que agindo ocultamente o Druidismo nunca foi totalmente eliminado. Ele permaneceu por todos esses séculos atuando discretamente como a Sagrada Ordem Druídica. Como Ordem Iniciática ela vem exercendo um importante papel no desenvolvimento da humanidade atual, em especial no mundo ocidental. Com essa finalidade mestres druidas encarnarem em vários lugares onde ocuparam funções relevantes no seio das religiões e das doutrinas.

Como exemplo da influencia druídica no campo místico-religioso do Ocidente podemos mencionar Kardecismo. A Doutrina Espírita codificada por Kardec vem exercendo um significativo papel na espiritualização do mundo ocidental. Na realidade o Espiritismo não pode ser considerado uma doutrina altamente mística, com base metafísicas elevadas, mas que mesmo assim é a religião que mais vem contribuindo para o renascer do homem ocidental no campo das ciências esotéricas. Isto decorre do fato de que se trata de uma doutrina que tem por objetivo retirar um colossal número de pessoas da crença de que só existe uma vida material levando-as à crença da pluralidade das existências, ou seja ensinando a uma Doutrina reencarnacionista. Poucos os que sabem ser esta a principal missão espiritual da Doutrina Kardecista, mas essa é precisamente a missão básica do Espiritismo, ou seja, apresentar uma doutrina relativamente simples mas que tem valores positivos de grande significação.

Num plano mais elevado o Espiritismo visa levar as pessoas ao conhecimento de que os espíritos reencarnam. Sem este conceito básico o desenvolvimento da humanidade se tornaria muito lento. Desde que uma pessoa tome conhecimento de que existem encarnações sucessivas torna-se bem mais fácil o seu desenvolvimento espiritual. Eis, pois, a missão essencial do Espiritismo.

O mundo ocidental praticamente influenciado pela Doutrina Judaico Cristã em sua forma exotérica, acabou levando o povo a esquecer que esta não é a única existência do espírito na terra. O autêntico Cristianismo foi deformado pelas forças obscurantistas através de vários concílios, a partir dos quais foi expurgado tudo o que constava nos Evangelhos e que dissessem respeito à reencarnação. Assim os padres da Igreja conseguiram esconder uma verdade milenar dos olhos do povo, e naturalmente era necessário que esse conceito viesse a ser reabilitado por ser ele de fundamental importância.

Ao Espiritismo coube resgatar esse conhecimento intencionalmente expurgado pela força negativa no mundo ocidental. Tem como missão revelar essa verdade, conduzir as pessoas à aceitação de uma verdade fundamental para o progresso do ser humano. Trata-se, por certo, do primeiro degrau da porta de entrada aos arcanos do conhecimento místico, da escada mediante a qual o espírito ascende com mais rapidez.

A proposta do Espiritismo não é de ensinar elevados conceitos metafísicos, isto é reservado a outras doutrinas. O seu papel é o de conduzir a pessoa no caminho do retorno à ascensão espiritual. O povo ocidental metafisicamente ainda é muito elementar, a não ser os que pertencem a certas organizações iniciáticas. De um modo gera, a massa é totalmente ignorante quanto aos conceitos elevados a respeito da espiritualidade, e o Espiritismo é o primeiro passo da senda. Como tem que atender à uma parcela de conhecimentos místicos rudimentares ele não poderia ser muito metafísico. É por isto que muitos o consideram uma doutrina elementar, mas isto não o invalida, bem ao contrário, o seu papel é extremamente significativo, pois trata-se do trazer um sistema diferente de doutrina que, ao mesmo tempo em que atenda às limitações dos seus adeptos, os leve à aceitação dos princípios da reencarnação. Não tendo conceitos minuciosos e elevados é exatamente ele que atrai o maior número de pessoas possíveis.

Se o Espiritismo contivesse uma doutrina muito refinada, bem metafísica por assim dizer, não seria fácil uma pessoa aceitá-lo e assim poder trocar os conceitos uni-encarnacionistas e os dogmas elementares ensinados pelas atuais religiões cristãs pelas idéias relativas à transmigração do espírito. Não é fácil o afastar-se diretamente do Cristianismo Ortodoxo e abraçar o Cristianismo Gnóstico por exemplo, desde que existe um grande abismo separando os conceitos uni-encarnacionistas dos pluri-encarnacionistas, e cabe, exatamente ao Espiritismo servir de elo intermediário, de funcionar como uma ponte entre um sistema e outro, por onde as pessoas possam chegar aos altos fins da existência.

O Espiritismo é sistema religioso simples mas de grande importância no que tange a significação da solidariedade humana, da ajuda mutua, em suma, da caridade acima de tudo.

O que não é comum às pessoas saberem é que no estabelecimento do Espiritismo houve a mão do Druidismo. Na realidade o livro básico do Espiritismo é intitulado de “O Livro dos Espíritos” que foi escrito por um médico francês chamado de Hippolyte Léon Denizard Rivail (1804-69), que usava como pseudônimo a palavra Allan Kardek. Léon dizia que usava este nome por haver sido ele o seu nome numa encarnação anterior em que fora um sacerdote druida. Na realidade isto é correto, houve na verdade um sacerdote druida de altíssima estirpe na civilização céltica, chamado Allan Kardek.

Não nos cabe agora descrever em detalhes quando e onde exatamente Allan Kardek viveu, apenas nos basta saber que foi na Civilização Céltica. Há registros de que ele por séculos viveu ensinando nos templos druídicos.

O “Altíssimo Sumo Sacerdote Druida” disse que voltaria a encarnar para cumprir com a missão de trazer ao mundo ocidental conhecimentos que haviam sido ocultados por milênios. Kardek na realidade cumpriu com aquilo que havia prometido, voltou para cumprir bem sua missão semeando a semente de que existiam encarnações múltiplas, por meio do Espiritismo.

Kardek, podemos dizer, foi o mais alto sacerdote entre todos os que viveram em missão junto ao mundo Celta. Ele, tal como depois veio novamente a fazer quando da encarnação de Hypolyte Léon, disse que houvera sido numa encarnação anterior um Sumo Sacerdote da Atlântida e ali tivera o de Kan. Kan participava da mais elevada hierarquia entre os governantes da Atlântida. Legislador, sacerdote, cientista, pensador e outras qualificações tornaram-no um dos mais eminentes guias espirituais da Atlântida

Kan foi um dos que previram o fim calamitoso daquele continente caso não fosses tomadas medidas sérias contra determinadas condutas, especialmente no mundo científico. Ele e inúmeros outros cientistas e sacerdotes souberam com antecedência o que estava fadado a acontecer se determinadas experiências continuassem a ser praticadas da forma como estavam sendo feitas na Atlântida. Previram que tudo acabaria numa tragédia inconcebível e sendo assim aquele grupo de pensadores discordantes, dirigidos por Kan, sabendo que não dispunham de meios para deter a insensatez de muitos, passaram a pregar que os que quisessem sobresistir, e ao mesmo tempo salvar os conhecimentos milenares daquela civilização, deveriam sem perda de tempo emigrar.

Foi a partir dos que compunham a hierarquia encimada por Kan que se formaram as correntes migratórias que precederam ao afundamento do Continente Atlanta. Kan no devido momento se fez presente no Egito onde se iniciava a mais florescente “colônia” atlante. Ele foi, foi por assim dizer, o fundador daquela grande civilização, e um dos que primeiro dirigiu aquele povo. Em decorrência disto o Egito foi no passado e ainda hoje também conhecido pelo nome de TERRA DE KAN.

No Antigo Egito Kan assumiu o nome de Toth que mais tarde os gregos associaram a um Deus do Olímpio chamado Hermes. Parte dos ensinamentos de Toth estão com o nome de Hermes, conhecido também pelo nome de Hermes Trismegisto, ou Mercúrio, o Mensageiro dos deuses. Os ensinamentos de Toth, impropriamente chamado de Hermes, estão expostos em muitos papiros, sendo os mais conhecidos deles a “Tábua as Esmeraldas” e “Pistis Sóphia”.

José Laércio do Egito F. R. C.

O MUNDO DOS CELTAS

“A MAIS LONGA VIAGEM COMEÇA COM

UM PASSO NA SOLEIRA DA PORTA”.

PROVÉRBIO

1 9 9 7 – 3 3 5 0

Aquele povo nórdico mantinha uma vida simples se comparada com a do mundo civilizado atual, e primava pela utilização das forças telúricas em todos as suas atividades, expressas basicamente através de ritos propiciatórios. Consideravam a natureza como a expressão máxima da Deusa Mãe. A divindade máxima era feminina, a Deusa Mãe, cuja manifestação era a natureza, por isso a sociedade celta embora não fosse matriarcal mesmo assim a mulher era soberana no domínio das forças da natureza.

Na realidade a corrente migratória atlante direcionada para a Europa Ocidental não primou pelo desenvolvimento tecnológico, ela não deu prosseguimento, por exemplo, à utilização ao desenvolvimento da ciência dos cristais como fonte de energia. Preferiram a utilização da energia inerente aos canais das forças telúricas mais simples (nesta palestra queremos dizer que nossa descrição teve mais como base a terminologia chinesa, mas vale agora dizer que tudo o que a geomância atual diz já era sobejamente conhecida dos Celtas que, por sua vez herdaram tais conhecimentos dos seus ancestrais remotos, os Atlantes que tinham grande domínio sobre tais conhecimentos), e mesmo assim de uma maneira não tecnológica.

Os celtas entendiam que a terra comporta-se como um autêntico ser vivo, que nela a energia flui tal como nos meridianos de acupuntura de uma pessoa. Eles sabiam bem como se utilizarem de meios de controlar essa energia em beneficio da vida, das colheitas e da saúde.

O grande desenvolvimento dos celtas foi no campo do como manipular a energia sem o envolvimento de tecnologia alguma, somente através da mente. Enquanto outros descendentes da Atlântida usaram instrumentos os migraram para o oeste europeu, dos quais bem tardiamente surgiu como civilização celta, usaram apenas pedras, na maioria das vezes sobe a forma de dolmens de menhires. Geralmente pedras eram usadas como meios para o desvio e canalização de energia. As construções megalíticas eram drenadores, condensadores e drenadores de energia telúrica, com elas os descendentes da Atlântida criavam “shunts” nos canais de força telúrica, desviando-a para múltiplos fins.

Os Celtas chegaram a ter pleno conhecimento de que as forças telúricas podiam ser controladas pela mente, que a energia mental interagia com outros campos de forças, e que a energia mental podia direcionar aos canais, ou até mesmo gerar canais secundários de força. Sabiam o que era a energia sutil, e que podiam aumentá-la de uma forma significativa mediante certos rituais praticados em lugares especiais. Para isto escolhiam e preparavam adequadamente os locais ideais para suas cerimoniais religiosas.

A realização dos festivais celtas não se prendia somente à localização, também tinham muito a ver com a época do ano, com determinadas efemérides, por isto ocorriam em datas precisas, ocasiões em que as forças cósmicas mais facilmente interagiam com as forças telúricas.

Os celtas sabiam que a energia telúrica sofria reflexões e refrações ao tocar coisas materiais, tal como ensina atualmente o Feng Shui, por isto é que eles praticavam seus rituais religiosos totalmente despidos. Isto não tinha qualquer conotação erótica, era antes um modo para a energia não ser impedida ou desviada pelas vestimentas.

Também tinham conhecimentos de como viver em harmonia com a terra, da importância de manterem a terra sadia, assim sendo evitavam mutilá-la inutilmente e até mesmo da importância de tratá-la. Tal como um acupunturista trata uma pessoa quando o fluxo de energia não esta se processando de uma forma adequada, da mesma forma eles procediam com relação à “Mãe Terra”.

Estabeleciam uma interação entre a energia a nível pessoal com a energia a nível planetário e também a nível sideral.

É todo esse conhecimento que está sendo liberado progressivamente. Agora que o homem moderno está começando a compreender que a terra foi dilapidada, atingida em sua integridade precisa urgentemente ser tratada vêm ressurgindo conhecimentos antigos, espíritos aptos estarão encarnando na terra para desenvolverem métodos precisos visando à correção dos males provocados. Assim é que estamos vendo o desenvolvimento da Radiestesia, da Rabdomância, do Feng Shui e de outras formas de atividades ligadas às energias que fluem na terra. Os princípios preconizados pela Permacultura serão aceitos progressivamente e a humanidade passo a passo irá se integrando a um sistema de vida holístico.

Na realidade não se pode falar de religião céltica sem se falar da religião druídica, por isto a partir da próxima palestra entraremos sobre que e quem eram os Druidas, assim como exerciam suas cerimônias religiosas.

Os cerimoniais célticos tinham um conteúdo “mágico” bem mais intenso que os druídicos pois neles havia uma comunhão muito grande entre o homem e a natureza. Esse lado mágico e mais ainda o exercido de alguns rituais com os participantes despidos foi motivo de escândalo para os católicos que os viram pela primeira vez.

O catolicismo primitivo, tal como um furacão devastador apagou tudo o que lhe foi possível apagar no que diz respeito aos rituais célticos, catalogando-os de paganismo, de cultos imorais e tendo como objetivo a adoração da força negativa. Na realidade isto não é verdade, os celtas cultuavam a Mãe Natureza. Mas, bastaria isto para o catolicismo não aceitar a religião celta, pois como aquela religião descendente do tronco Judaico colocava a mulher como algo inferior, responsabilizando-a pela queda do homem, pela perda do paraíso. Na realidade o lado esotérico da religião hebraica baniu o elemento feminino já desde a própria Trindade. Como já dissemos em outros temas, todas as Trindades das religiões antigas continham um lado feminino, somente não a hebraica.

A Igreja Católica, derivada do hebraísmo ortodoxo, também mostrou ser uma religião essencialmente machista e como tal lhe era intolerável à admissão de uma Deusa Mãe, mesmo que esta simbolizasse a própria natureza.

Mesmo que o Catolicismo assumisse uma posição machista isto não foi ensinado e nem praticado por Jesus. Ele na realidade valorizou bem a mulher e, por sinal, existe um belíssimo evangelho apócrifo denominado “O Evangelho da Mulher”. Também nos primeiros séculos do Cristianismo a participação feminina era bem intensa. Entre os principais livros do Gnosticismo dos primeiros séculos, conforme consta nos achados arqueológicos da Biblioteca de Nag Hammadi consta o Evangelho de Maria Madalena mostrando que os evangelistas não foram apenas pessoas do sexo masculino.

Na realidade Jesus apareceu primeiro às mulheres, e segundo o que está escrito nos documentos sobre o Cristianismo dos primeiros séculos, via de regra, por cerca de 11 anos depois da crucificação Jesus continuou a ensinar e geralmente fazia isto através da inspiração, algo como mediunidade, e isto acontecia bem mais freqüentemente através das mulheres.

Sabe-se que o papel de subalternidade do lado feminino dentro do Cristianismo foi oficializado a partir do I Concilio de Nicéia no ano 325. Aquele concílio, entre outras intenções visou o banimento da mulher dos atos litúrgicos da igreja. Ela só podia participar numa condição de subserviência. O catolicismo que nasceu da ala ortodoxa do Cristianismo primitivo que continha em seu bojo a influência judaica no que diz respeito à marginalização da mulher no exercício das atividades sacerdotais.

Por isto, e por outras coisas, as autoridades católicas não podiam tolerar o celtismo, cuja religião era mais exercida pelas mulheres. Existam as sacerdotisas que exerciam um papel mais relevante que a dos sacerdotes e magos. Naturalmente os celtas eram muito apegados à fertilidade, ao crescimento da família e ao aumento da produção dos animais domésticos e dos campos de produção e isto estava ligado diretamente ao lado feminino da natureza. Também a mulher é mais sensitiva do que o homem no que diz respeito às manifestações do sobrenatural, do lado mágico da vida, portanto é obvio que elas canalizassem mais facilmente a energia nos cerimoniais, que fossem melhores intermediárias nas cerimônias mágicas. Assim é que o elemento básico da Wicca não tinha como base primordial o homem e sim na mulher, cabendo àquele a primazia nos assuntos não religiosos.
José Laércio do Egito F. R. C.

Plantas para proteger e atrair boa sorte para a casa

Conheça as espécies que, segundo a crença popular, podem evitar o mau-olhado e trazer prosperidade

Alessandra Oggioni

Arrumar a casa e deixá-la mais bonita é quase sempre uma das metas de ano novo. E para ajudar nesta tarefa, plantas conhecidas popularmente para combater o mau-olhado podem contribuir para deixar o lar mais harmonioso e atrair protecção. A árvore-da-felicidade, por exemplo, pode ajudar a resolver questões amorosas. Já o alecrim afasta o baixo astral e eleva as energias positivas do ambiente.

Silma Fernandes, consultora de Feng Shui e paisagista, e Angela Cristina Rossi, engenheira agrónoma do Shopping Garden (SP), falam sobre 12 espécies que trazem protecção ao lar e explicam a melhor maneira de cuidar de cada uma delas.

alecrim_(2)__68706_zoom[1]

Alecrim

Quando parece que a vitalidade da casa foi embora, o alecrim é perfeito para tirar aquele clima baixo astral. “É um óptimo limpador de fluidos de baixa frequência, protege e eleva a energia local”, diz a consultora de Feng Shui. Para cuidar bem da erva, é preciso deixá-la no sol e em ambiente arejado, preferencialmente do lado externo. “Também é necessário esperar a terra secar antes de regar novamente”, explica Angela Rossi.

images[2]

Arruda

Quando o clima na casa está pesado ou aconteceram coisas difíceis, a arruda pode ajudar a promover uma verdadeira limpeza no ambiente, além de espantar a inveja e o mau-olhado. Além de suas características de protecção, ela é fácil de cuidar, só precisa de sol e de ser mantida sempre húmida.

arvore%20da%20felicidade%207[1]

Árvore-da-felicidade

De acordo com Silma Fernandes, a espécie é recomendada para ajudar a resolver, principalmente, questões amorosas. Não é à toa que ela sempre é plantada em duas mudas, conhecidas como macho e fêmea. Com uma bela folhagem, a árvore-da-felicidade se dá bem tanto dentro como fora de casa, mas tem de ficar perto de janelas, em local bem iluminado e arejado.

avenca7[1]

Avenca

Muito sensível, a avenca é um verdadeiro termómetro ambiental. “Quando a faixa vibratória da energia cai muito, ela também se desmancha”, esclarece Silma Fernandes. Boa para ter dentro de casa, a planta requer alguns cuidados, como mantê-la sempre húmida e ser adubada com regularidade.

comigo

Comigo-ninguém-pode

Esta é a planta ideal para proteger o ambiente de energias negativas. Coloque-a sempre em lugar sombreado e não regue demais. “É preciso tomar cuidado porque ela é extremamente venenosa e deve ser evitada por quem tem bichinho de estimação ou criança pequena”, explica Angela Cristina Rossi.

plantasonya.com.br[1]

Dinheiro-em-penca

O ideal é que esta planta fique em pontos estratégicos da casa, perto de onde se guarda coisas de valor, a fim de atrair dinheiro. Em empresas, pode ser colocada próxima ao departamento financeiro ou de vendas. No entanto, a dinheiro-em-penca não é recomendada para ambientes internos. “Apesar de ser bem resistente, sua folhagem precisa de sol e umidade”, explica a engenheira agrónoma Angela Cristina Rossi.

espada

Espada-de-São-Jorge

Para quem quer trabalhar a espiritualidade ou elevar a energia, esta é a planta mais recomendada. Solar, a espada-de-São-Jorge vai melhor em ambientes externos, pois precisa de bastante luminosidade. E nem é necessário regar muito.

arruda-manjericao-guine-comigo-ninguem-pode-e-alho-3[1]

Guiné

Planta super rústica, é bem resistente e não requer muitos cuidados. Basta mantê-la sempre húmida. Na casa, pode ser utilizada para uma limpeza energética. Popularmente, a guiné também é bastante conhecida por combater o mau-olhado. Por isso, procure deixá-la próxima às portas de entrada, para filtrar as energias negativas.

A41lirio_paz1[1]

Lírio-da-paz

Manter a terra sempre húmida é uma necessidade desta planta, que melhora o equilíbrio do ambiente. “Ela também limpa os pensamentos negativos, as ondas electromagnéticas que vêm de aparelhos electroeletrónicos e celulares, e a má energia do esgoto”, afirma Silma.

jardicentro_sementes_mangericao_alfavaca[1]

Manjericão

Sabe quando você precisa desenvolver um projecto ou encontrar criatividade extra para fazer um trabalho difícil? O manjericão pode ajudar a limpar o ambiente e dinamizar a energia. Os cuidados com a erva são bem simples: precisa de sol e também de terra sempre húmida.

vasinhos+pimenteira+com+3+socorro+sp+brasil__667736_1[1]

Pimenteira

Uma de suas propriedades mais famosas é afastar energias negativas e pensamentos ruins. Por isso, é legal colocá-la próxima às entradas da casa. Apesar de não ter uma durabilidade alta, é preciso tirá-la o quanto antes do ambiente assim que secar, e colocar outra no lugar até o equilíbrio ser restabelecido na casa. Para conservá-la por mais tempo, a pimenteira precisa de muito sol.

trevo[1]

Trevo

Associada ao poder de ganho financeiro, a planta só se dá bem no lado externo da casa. Popularmente, o trevo de quatro folhas atrai sorte e felicidade. Mas para quem pensa que é impossível encontrar um com as quatro folhinhas, está enganado. A planta é oferecida com certa facilidade em lojas especializadas.

Significado dos signos: Horóscopo Japonês

Horóscopo Japonês
Horoscopojapones_todosanimaisfundofloresta-ImagemMN[1]

Diferença entre o horóscopo Chinês e o Japonês:
• Chinês: Na astrologia chinesa, o calendário agrícola é a base principal do horóscopo e o ano astral começa na primeira lunação do ano, devido a isto, o dia de início do ano astrológico é variável a cada ano.
• Japonês: O horóscopo japonês foi baseado no mesmo sistema do Chinês, mas os regentes foram substituídos por deuses xintoístas e o ano astral se inicia no primeiro dia do ano novo, o Ano Novo Solar que os japoneses chamam de Oshogatsu, a primeira lunação do ano.

TABELA DOS SIGNOS:
DESCUBRA QUAL É O SEU ANIMAL NO HORÓSCOPO JAPONÊS PELO ANO DE SEU NASCIMENTO
Animal/Signo Ano de nascimento
Rato-Nezumi 1900 1912 1924 1936 1948 1960 1972 1984 1996 2008
Boi-Ushi 1901 1913 1925 1937 1949 1961 1973 1985 1997 2009
Tigre-Tora 1902 1914 1926 1938 1950 1962 1974 1986 1998 2010
Coelho-Usagi 1903 1915 1927 1939 1951 1963 1975 1987 1999 2011
Dragão-Tatsu 1904 1916 1928 1940 1952 1964 1976 1988 2000 2012
Serpente-Mi 1905 1917 1929 1941 1953 1965 1977 1989 2001 2013
Cavalo-Uma 1906 1918 1930 1942 1954 1966 1978 1990 2002 2014
Cabra-Hitsuji 1907 1919 1931 1943 1955 1967 1979 1991 2003 2015
Macaco-Sauru 1908 1920 1932 1944 1956 1968 1980 1992 2004 2016
Galo-Tori 1909 1921 1933 1945 1957 1969 1981 1993 2005 2017
Cachorro-Inu 1910 1922 1934 1946 1958 1970 1982 1994 2006 2018
Javalí-Inoshishi 1911 1923 1935 1947 1959 1971 1983 1995 2007 2019

RATO
O Signo do Charme
Nome do Rato em japonês: Ne (Nezumi)
Números da sorte: 3 e 7
Estação do ano: Inverno
Mês em Portugal: Junho
Mês no Japão: Dezembro
Cor astral: violeta
Dia da semana: quinta-feira
Hora do Rato: 23h à 01h
Direcção do signo: norte
Elemento Fixo: água
Polaridade: Yô (Energia Izanagi)
Pessoas nascidas:
1900 | 1912 | 1924 | 1936 | 1948 | 1960 | 1972 | 1984 | 1996 | 2008 | 2020

Espírito de Luz Protector e Regente do Signo: Ninigui-no-Mikoto. Energia que atua sobre a economia, minúcia, avidez, ordem, oportunismo e mercantilismo.
Mitologia de Ninigui: Ninigui é neto de Amaterasu-o-omi-kami ou Amterasu-Ômikami, a Augusta Deusa Sol, enviado para iniciar uma dinastia celeste na Terra. Chegou trazendo “Os três tesouros divinos ou Os três tesouros sagrados”: o Espelho Sagrado, a Espada Sagrada e a Jóia Sagrada. Esses três tesouros encontram-se actualmente no palácio Imperial do Japão.
Hábil negociador, ao invés de guerrear com os primitivos locais, Ninigui casou-se com Konohana-Sakuya-Hime (Princesa Florescer ou deusa da Primavera), uma divindade terrestre, e reinou com tranquilidade no Japão antigo.
Destino: As pessoas nascidas sob o signo de Rato são muito ambiciosas e lutam para galgar altas posições, tanto na sociedade como na vida profissional. São dedicadas à família e fazem amizades com facilidade. Nunca estarão satisfeitas em posições subalternas. Dotada de uma intuição fora do comum, as suas ideias, geralmente, são originais. A força de vontade e a determinação garantem seu sucesso.
Qualidades naturais: Os nativos de Rato são pessoas optimistas, persuasivas, responsáveis, leais, adoram desafios, são intuitivas, idealistas, tolerantes, cheias de entusiasmo e aprendem através das experiências.
Defeitos: Pessoas do ano do Rato podem se tornar temperamentais, do tipo que não aceitam ordens. Gostam de se aproveitar dos outros e são: tagarelas; auto-indulgentes; bruscos; impacientes; intrometidos; irracionais; sujeitos à depressão e detestam a monotonia.
Perfil: Arquitectos do próprio destino, os nativos de Rato quando canalizam as energias cósmicas de modo correto são: sedutores; simpáticos; generosos; divertidos; protectores; companheiros; sentimentais; sociáveis; enérgicos; dedicados; persuasivos; convincentes; meticulosos; prevenidos. Mas se não souberem canalizar as energias no sentido correto podem se tornar: egoístas; oportunistas; agitadores; inquietos; atrevidos; impulsivos; invejosos; mesquinhos; destrutivos; enfadonhos; autoritários; presunçosos e excessivamente ambiciosos.
Personalidade: Os nativos deste signo são optimistas, bons esportistas e amantes das diversões. São alegres e afáveis. Tudo o que fazem é com exagero, com atitudes de “que não me importam as consequências”. Demonstram entusiasmo por viagens, turismo e aventuras. Envolvem-se com assuntos comunitários como política, comércio ou religião. Os nativos de Rato são também pessoas trabalhadoras e económicas. Possuem óptimo tino comercial, mas podem muitas vezes agir sob propósito mesquinho, principalmente nos assuntos financeiros. Muito sentimentais, os Ratos dão grande importância aos laços familiares, fazendo tudo que estiver ao seu alcance para levar bem-estar e segurança à família. Seus grandes defeitos são a ambição e a precipitação. Em geral, não sabem esperar o momento oportuno para por as ideias em prática, e com isso perdem grandes oportunidades de sucesso e prestígio.

BOI
O Signo da perseverança
Nome do Boi em japonês: Ushi
Número da sorte: 8
Estação do ano: Inverno
Mês em Portugal: Julho
Mês no Japão: Dezembro
Cor astral: azul
Dia favorável: sábado
Hora do Boi: 01h às 03h
Direcção do signo: norte-nordeste
Elemento fixo: água
Polaridade: In (Energia Izanami)
Pessoas nascidas:
1901 | 1913 | 1925 | 1937 | 1949 | 1961 | 1973 | 1985 | 1997 | 2009

Espírito de Luz Protector e Regente do Signo: Tachikara-o-no-Kami (Deus da Força Física). Energia que tem influência em labor, perseverança, encarniçamento, força física e resistência.
Mitologia de Tachikara: Tachikara é a divindade que removeu Ameno Iwaya, a rocha que tapava a “gruta celeste” (ou buraco negro sideral) quando a Deusa do Sol, Amatera-su nela se escondeu. Ela estava fortemente aborrecida e entristecida com as maldades que seu irmão Susa-no-o (Deus Impetuoso ou o Deus das Tempestades) fizera com ela quando foi visitá-la no Palácio da Deusa do Sol. Seus pais, Izanagi e Izanami o exilaram para Yomi (Região dos mortos) quando perceberam que era impossível tolerar tantas maldades que esse Deus cometia na Terra. Susa-no-o teve como último pedido, despedir-se de irmã Celestial Amatera-su. Contudo, apesar de mostrar-se arrependido, seu intento era mesmo o de aborrecer a irmã. Susa-no-o foi fortemente castigado após as 800 miríades de Deuses, terem conseguido convencer a Deusa do Sol Amatera-su a sair de sua reclusão na caverna. Portanto, Tachikara-o é o Deus que em um momento crítico da humanidade, colaborou para que o sol voltasse a iluminar a Terra.
Destino: Com tendência para fazer favores a todos, pessoas nativas de Boi são conhecidas por serem oito ou oitenta, (um grande sucesso ou completo fracasso). Jogam com a vida, não têm medo de riscos e dificilmente pedem conselhos, pois são perfeitamente capazes de cuidar de si mesmas. Devem evitar as aventuras extraconjugais e as bebidas fermentadas, pois são capazes de parecer perfeitamente sóbrias, embora estejam bêbadas a ponto de cair.
Qualidades naturais: Os nativos de Boi são pessoas que assumem responsabilidades. São bastante disciplinadas, ambiciosas, confiáveis, conservadoras, trabalham duro, persistentes, práticas e têm grande vitalidade.
Defeitos: Por outro lado, os nativos de Boi podem se tornar pessoas negativistas, teimosas, egocêntricas, inibidas, enérgicas demais, egoístas, exigentes sem razão, dominadoras e temem cair no ridículo.
Perfil: Senhores do equilíbrio e da tenacidade, os nativos de Boi quando canalizam correctamente as energias cósmicas são trabalhadores, metódicos, solidários, reservados, persistentes, preciosos, altivos, digno de confiança, líderes natos, tradicionais e muito ligados à família. Mas se não souberem dirigir as energias no bom sentido, podem se tornar críticos, vagarosos, descuidados, teimosos, autoritários, convencionais, péssimos perdedores, ciumentos, vingativos, rancorosos, possessivos e incompreendidos.
Personalidade: Os nativos deste signo são ambiciosos e cautelosos. Fazem planos e têm paciência de deixá-los amadurecer. São pessoas materialistas, práticas e económicas. São uns solitários, porque têm medo de se envolver e de confiar nas pessoas. Às vezes não se importam de tentar a escalada social desrespeitando os outros. Por natureza são persistentes e não desistirão enquanto não conquistarem os seus objectivos ou realizarem os seus sonhos. As pessoas de Boi também são calmas, conservadoras e sempre dignas de confiança. Terão boas oportunidades no trabalho, por seu grande senso de responsabilidade. Lealdade e fidelidade são suas palavras-chaves. As pessoas desse signo estão sujeitas a sofrer problemas digestivos, devido ao hábito de guardar ressentimentos. Quando decepcionadas com o amor, podem afastar-se das novas oportunidades românticas, entregando-se totalmente ao trabalho. Costumam ser generosas, pacientes e honestas. Cumprir com o dever é seu lema e, muitas vezes passam por cima dos sentimentos para levar seus planos adiante.

TIGRE
O Signo da coragem
Nome do Tigre em japonês: Tora
Número da sorte: 4 e 9
Estação do ano: Inverno
Mês em Portugal: Agosto
Mês no Japão: Fevereiro
Cor astral: cinza pérola
Dia favorável: sábado
Hora do Tigre: 03h às 05h
Direcção do signo: leste- nordeste
Elemento fixo: madeira
Polaridade: Yô (Energia Izanagi)
Pessoas nascidas:
1902 | 1914 | 1926 | 1938 | 1950 | 1962 | 1974 | 1986 | 1998 | 2010

Espírito de Luz Protector e Regente do Signo: Suza-no-o-no-Mikoto (Magestade Poderosa Rápida e Impetuosa ou Deus da Tempestade). Energia que rege a vitalidade, autoridade, magnetismo, prestígio, segurança e a inércia.
Mitologia de Suza-no-o: Suza-no-o, irmão da Augusta Deusa Sol (Amatera-su) e o Deus da Lua (Tsukiyomi), os três principais filhos das divindades Izanagi e Izanami (Deuses criadores do Arquepélago japonês). Susa-no-o é a Divindade que se rebelou na Alta Planície Celeste (Takama-no-Hara) e exilado, veio habitar a Terra, onde matou Yamata-no-orochi, a serpente de oito cabeças. Quando Susa-no-o cortava as caldas da serpente, encontrou em uma delas, a sagrada espada “Murakumo no Tsurugi” (Colhedora de Nuvens) também conhecida por “Kusanagi Tsurugi” (Cortador de gramas). Depois deu de presente a irmã Amatera-su, como pedido de desculpas por todas as maldades que fizera com ela. Depois essa espada veio a fazer parte dos três tesouros sagrados. Símbolos do brasão do Império japonês e que se encontram actualmente, no palácio Imperial.
Destino: Os nativos de Tigre são bastante excêntricos e às vezes difíceis de compreender. Adoram discutir, e são dotados de um modo todo pessoal de fazer as coisas, sendo capazes de mudar as regras de acordo com suas conveniências. Necessitam de amor, afeição e bondade. São extremamente leais aos seus amigos, com muito respeito pelo sexo oposto. Têm hábito de construir castelos no ar e sonham em demasia. Na cama são sempre amantes ardorosos.
Qualidades naturais: Pessoas nascidas no ano do Tigre possuem senso de lealdade ao próximo, são humanistas, inteligentes, intelectuais, activas e previsoras de acontecimentos, inventos e fatos futuros.
Defeitos: Os nativos de Tigre podem se tornar pessoas excêntricas, temperamentais, radicais, rebeldes, entregam-se aos vícios, a vida mundana, à inércia física e mental fazendo tudo para a autodestruição.
Perfil: Retrato da força e do poder, os nativos de Tigre quando canalizam as energias cósmicas de modo correto são: muito generosos; gentis; bem-educados; corajosos; cheios de segurança; protectores; respeitáveis; nobres; activos; magnéticos; afortunados; fortes; autoritários; sensíveis; passionais e profundos. Porém, com as energias mal dirigidas, podem se tornar: indisciplinados; intransigentes; vaidosos; temerários; amantes do perigo; desobedientes; briguentos; irreflexivos; violentos; irritáveis; teimosos e contrários às regras estabelecidas.
Personalidade: Os nativos de Tigre são magnéticos, imprevisíveis e autoconfiantes. Suas ideias são ultra-progressistas, estando em geral, adiante do seu tempo. Apreciam a companhia das pessoas que, por sua vez, se sentem atraídas pela personalidade agradável e atraente do Tigre. A vida tem que ter colorido e com circunstâncias inusitadas. Não gostam de se sentir amarrados, são extremamente independentes. Em geral, procuram fazer inovações que beneficiam as massas. Por natureza gostam de improvisar e são livres, intuitivos e inovadores. Os nascidos no ano do Tigre demonstram também entusiasmo e enorme alegria de viver. As novas experiências e a independência são suas metas, principalmente na juventude. Em geral, adoram ser o centro das atenções o que, muitas vezes, resulta em problemas com os amigos e familiares. Exigem sempre simpatia e afecto daqueles que os cercam. Raramente se deixam abater pelos aspectos práticos do trabalho. O temperamento rebelde e exageradamente franco, pode impedir que vivam experiências muito duradouras. Entretanto, a presença do Tigre na vida das pessoas é sempre marcante, e esse signo jamais passa despercebido.

COELHO
Coelho – Usagi “O Signo da Virtude”
O Signo da virtude
Nome do Coelho em japonês: U (de Usagi)
Estação do ano: Primavera
Mês em Portugal: Setembro
Mês no Japão: Março
Cor astral: preto
Dia favorável: quinta-feira
Hora do Coelho: 05h às 07h
Direcção do signo: leste
Elemento fixo: madeira
Polaridade: In (Energia Izanami)

Pessoas nascidas:
1903 | 1915 | 1927 | 1939 | 1951 | 1963 | 1975 | 1987 | 1999 | 2011

Espírito de Luz Protector e Regente do Signo: Ookuni Nushi-no-Mikoto (Divindade Grande Mestre da Terra). Energia que atua sobre a serenidade, equilíbrio, reflexão, sabedoria, discrição e profundidade.
Mitologia de Ookuni Nushi: Ookuni Nushi, é uma divindade terrestre, genro de SUza-no-o, o Deus das Tempestades. Ookuni é citado como o patrono da Medicina, em função da famosa lenda do Coelho Branco de Inaba. Na mitologia japonesa, sua história conta que passou por várias provações. No início da civilização japonesa, Ookuni Nushi figurava como uma das divindades mais importante.
Destino: Em geral as pessoas nascidas no ano do Coelho trabalham com eficiência, mas quando estão nervosas ou preocupadas, não conseguem produzir nada e ficam melancólicas e deprimidas. Estão sempre tentando ajudar os outros. Na maioria das vezes têm inclinação religiosa, porém não do tipo convencional. São muito exigentes com as pessoas amadas e verificam tudo que elas fazem. É como se esperassem que elas cometam um erro para poderem corrigi-las. Adoram o lar e as coisas boas da vida. São bondosas e sinceras.
Qualidades naturais: Os nativos de Coelho são pessoas simpáticas, intuitivas, originais, perceptivas, conscienciosas, criativas, não julgam os outros, responsáveis, versáteis e tem princípios fortes.
Defeitos: Nativos de Coelhos podem se tornar pessoas emotivas, pessimistas, tímidas, sem praticidade, humor instável, sensíveis a críticas, não têm autoconfiança, evitam confrontos e detestam rotinas.
Perfil: Com dedicação total à família, os nativos de Coelho quando canalizam correctamente as energias cósmicas são: discretos; refinados; virtuosos; mundanos; cheio de tato; sensíveis; sociáveis; atentos; ambiciosos; prendados; pouco rancorosos; prudentes; conservadores; hospitaleiros e engenhosos. Mas se não souberem controlar as energias, podem se tornar: pedantes; antiquados; susceptíveis; distantes; tortuosos; diletantes; pusilânimes; afectadamente delicados e hipocondríacos.
Personalidade: Os nativos deste signo são dramáticos, subservientes e dispostos a todos os tipos de excessos. São intuitivos e têm tendência a devaneios. Apreciam tudo o que é misterioso, e nesse ambiente são emotivos, demonstram seus sentimentos e são amorosos. Por excelência, é o signo que faz os nativos se interessarem pela meditação transcendental e pelo desenvolvimento da espiritualidade. Por natureza são idealistas e anseiam pela paz da humanidade. Tendem a praticar caridade pública e trabalho social voluntário. Os nativos de Coelho também são pessoas beneficiadas por uma vida harmoniosa e tranquila. São pessoas atenciosas, detalhistas e possuidoras de bom tino comercial. Sua grande sensibilidade é responsável tanto pelas atitudes doces e amistosas quanto pelo comportamento muitas vezes aparentemente indiferente. Não suportando nenhum tipo de desarmonia, procuram sempre o caminho mais discreto e pacífico em direcção ao seu grande objectivo que é a segurança. São notadas pela capacidade de reconhecer seus limites em todas as áreas. Por essa razão, raramente agem contra a própria natureza íntima, apesar de estarem sempre dispostas a ajudar os amigos.

DRAGÃO
O Signo da sorte
Nome do Dragão em japonês: Tatsu
Número da sorte: 9 e 13
Estação do ano: Primavera
Mês em Portugal: Outubro
Mês no Japão: Abril
Cor astral: vermelho
Dia favorável: terça-feira
Hora do Dragão: 7 às 9h
Direcção do signo: Leste-sudeste
Elemento fixo: Madeira
Polaridade: Yô (Energia Izanagi)

Pessoas nascidas:
1904 | 1916 | 1928 | 1940 | 1952 | 1964 | 1976 | 1988 | 2000 | 2012

Espírito Luz Protector e Regente do Signo: Shiyozushi-no-Kami (Divindade das Águas e do Mar). Energia que atua sobre a virtuosidade, extravagância, imprevisibilidade e originalidade.
Mitologia de Shiyozushi: O Deus Shiyozushi é muitas vezes chamado de “Rei Dragão”, o senhor do mundo submarino. Na história mitológica, ele é pai de Toyotama Hime (princesa Alma Luxuriante) e genro de Yamano Sachihiko-no-Mikoto (Deus da Montanha e da Caça) e bisavô de Jimmu Tennô ou Tennou, o primeiro imperador do Japão.
Protector da Sorte: Ebisu (Deus da Pesca e dos Ensinamentos). Faz parte do conjunto dos Sete Deuses da Sorte e da Fortuna.
Destino: As pessoas de Dragão serão líderes em qualquer campo que escolherem. Excelentes pais, notáveis mães, maridos exemplares ou esposas divinas. Porém, quando se apaixonam perdem a razão e o objecto de sua afeição pode enganá-las com a maior facilidade. São lutadores natos e não têm medo de nada e de ninguém. Por baixo da aparência calma, existe um temperamento explosivo capaz de reacções violentas quando pressionados demais. Não toleram injustiças e ninguém pode obrigá-las a fazer coisas que não queiram.
Qualidades naturais: Os nativos de Dragão são pessoas de liderança, animadas, optimistas, trabalhadoras, autoconfiantes, competitivas, dinâmicas, generosas, entusiásticas, falam bem em público, tem iniciativa. São lutadores natos e não têm medo de nada e de ninguém. Por baixo da aparência calma, existe um temperamento explosivo capaz de reacções violentas quando pressionados demais…
Defeitos: Os nativos de Dragão podem se tornar pessoas impacientes e reagem apressadamente a problemas, gostam de discutir, enérgicas demais, não sabem receber ordens, agressivas demais, arrogantes e intolerantes.
Perfil: Símbolo de exaltação da fatalidade, os nativos de Dragão, quando canalizam as energias cósmicas de modo correto são: escrupulosos; sentimentais; entusiasmados, intuitivos; perspicazes; tenazes; generosos; intrépidos; cativantes; afortunados e autónomos. Porém, se houver um desvio na canalização correta das energias, podem se tornar: inquietos; inflexíveis; teimosos; exigentes; irritáveis; tagarelas; insatisfeitos; indiferentes; mordazes; perdulários e apressados em seus julgamentos.
Personalidade: Os nativos deste signo são temperamentais, agressivos e sexualmente atraentes. Seu espírito aventureiro e de liderança exigem nervos de aço e grande Energia Vital (Ki ou Chi de Zenchi). Vivem enfrentando desafios com imensa coragem, que gostam de exibir constantemente, e por isso são admirados por todos. Interessam-se pela prática de desportos competitivos, por ginásticas quando jovens e depois de maduros apreciam a cultura. Por natureza são impulsivos, ardentes e gostam de liderar. Graças as suas reservas de energias, os nativos de Dragão também não podem nem conseguem passar despercebidos. As suas qualidades são tantas quanto os seus defeitos e por essa razão, fazem grandes amizades ou inimizades. Passam pela vida em busca da perfeição ideal, e impacientam-se com a mediocridade e com a desonestidade. São francos ao extremo e não hesitam em ir às últimas consequências para conseguir o que desejam. O egoísmo e o fanatismo são os obstáculos internos a serem vencidos. A consciência do dever para consigo mesmo e para com os outros lhes dá força e brilho contagiantes. Dificilmente se deixam levar por preocupações financeiras.

SERPENTE
O Signo da sabedoria
Nome da Serpente em japonês: Mi
Número da sorte: 6 e 14
Estação do ano: Primavera
Mês em Portugal: Novembro
Mês no Japão: Maio
Cor astral: verde
Dia favorável: sexta-feira
Hora da Serpente: 9h às 11h
Direcção do signo: sul-sudeste
Elemento fixo: fogo
Polaridade: Yô (Energia Izanagi)

Pessoas nascidas:
1905 | 1917 | 1929 | 1941 | 1953 | 1965 | 1977 | 1989| 2001 | 2013

Espírito de Luz Protector e Regente do Signo: Kami Musubi-no-Kami (Deus dos Nascimentos Divinos). Energia que atua sobre a: prudência, cálculo, maquiavelismo, hermetismo e a previdência.
Mitologia de Kami Musubi: Kami Musubi faz parte do chamado “Koto Amatsu Kami”, a primeira geração divina, ou seja, os deuses primordiais da mitologia japonesa. Ele foi o terceiro soberano de Takama no Hara (Alta Planicie Celeste). É considerado o “elo da energia cósmica”.
Protectora da Sorte: Toyotama Hime (Princesa da Alma Luxuriante), divindade filha de Shiyozuchi-no-Kami (Deus do Mar) casou com Hoori-no-Mikoto (Deus da Caça), e bisneto de Amatera-su, a Augusta Deusa do Sol. Toyotama Hime é relacionada a uma bola de cristal, que tem o poder de controlar a maré alta e a maré baixa.
Destino: As pessoas de Serpente são muito atraentes e recebem muitos elogios do sexo oposto. Sua personalidade magnética atrai as pessoas. Adoram receber visitas e não lamentam o dinheiro gasto em festas e outras actividades sociais. Têm muita sorte em questões financeiras e poderão receber um numerário considerável inesperadamente. Também têm mentalidade benevolente, calma e harmoniosa.
Qualidades naturais: Os nativos da Serpente são pessoas estáveis, pacientes, sinceras, conservadoras, trabalhadoras, leais, práticas, razoáveis, responsáveis e autoconfiantes.
Defeitos: Os nativos da Serpente podem se tornar pessoas possessivas, teimosas, temperamentais, ninguém pode apressá-las, guardam rancor, resistem às mudanças, egoístas, gulosas, materialistas e não aceitam conselhos.
Perfil: Imagem da tranquilidade e da perseverança, os nativos da Serpente, quando canalizam correctamente as energias cósmicas são: sábios, cultos, cerebrais; intuitivos; sedutores; complacentes; alegres; afortunados; simpáticos; elegantes; discretos; educados; compreensivos; intelectuais; calmos e decididos. Mas se as energias forem desviadas, podem se tornar: exibidos; maus perdedores; detalhistas; extravagantes; presunçosos; possessivos; rancorosos; vingativos; volúveis; preguiçosos e frios.
Personalidade: Os nativos deste signo são amantes da beleza, do conforto e muito românticos. Seus esforços, paciência e teimosia possibilitam ir até as últimas consequências em seus empreendimentos. Sua paciência infinita, acaba sendo uma vantagem nos negócios. Por natureza, gostam de conforto e luxo. São práticos e económicos. Apreciam programas culturais e projectos urbanos que deixam a cidade mais bonita. As pessoas nativas de Serpente são argutas e gostam de requinte material e intelectual. Confiantes e prudentes, raramente mudam de opinião para agradar os outros. São dotadas de rara capacidade de reflexão e ponderação. Nos relacionamentos, sejam eles familiares ou sociais, mostram-se, em geral, exageradamente possessivas e exigentes, mas nem por isso deixam de ser leais e companheiras. A desconfiança é um dos traços mais negativos desse signo, que jamais perdoa uma traição, mesmo que seja apenas por um mal-entendido. Essas pessoas podem mostrar-se bastante vingativas quando impedidas de seguir o próprio caminho.
CAVALO
O Signo da elegância
Nome do Cavalo em japonês: Uma
Número da sorte: 5 e 17
Estação do ano: Verão
Mês em Portugal: Dezembro
Mês no Japão: Junho
Cor astral: amarelo
Dia favorável: quarta-feira
Hora do Cavalo: 11 às 13h
Direcção do signo: Sul
Elemento fixo: fogo
Polaridade: Yô ( energia Izanagi)

Pessoas nascidas:
1906 | 1918 | 1930 | 1942 | 1954 | 1966 | 1978 | 1990 | 2002 | 2014

Espírito de Luz Protector e Regente do signo: Hachiman Kami (Deus da Guerra). Energia que rege a mobilidade, tenacidade, rapidez, carácter aventuroso e a oscilação.
Mitologia de Hachiman Kami: Hachiman é o deus guerreiro do Shintô (religião original do Japão). Ele é associado ao Imperador Ojin, o 15º, soberano japonês, filho da Imperatriz Jingo. Conforme a história japonesa, Ojin, ficou em gestação por 3 anos no ventre da sua mãe, quando esta invadiu a Coreia, dois séculos antes de Cristo.
Protector da Sorte: Yamato Takeru-no-Mikoto (O Solitário Príncipe Guerreiro).
Destino: Os nativos de Cavalo não conseguem ficar parados. Estarão sempre descobrindo novas formas exóticas de ganhar dinheiro e não têm medo de correr riscos, por isso admiram pessoas diferentes das demais. Tem uma certa tendência para a teimosia. Não descansam enquanto não conseguem o que querem. A liderança é importante e são capazes de exercê-la com segurança e tranquilidade. Dotadas de inteligência prática, costumam falhar em suas promessas: em geral, prometem isto, ou aquilo, com facilidade, mas falham no dia marcado.
Qualidades naturais: Os nativos de Cavalo são pessoas versáteis, reagem rapidamente numa emergência, fortes em trabalhos manuais, curiosas, criativas, flexíveis, cordiais, imaginativas, autoconfiantes, inteligentes.
Defeitos: Os nativos de Cavalos podem se tornar pessoas instáveis, egoístas, explosivas, intrigantes, desperdiçam seus esforços, aborrecem-se facilmente, impacientes, não sabem prever, curiosas em demasia, desconcentradas e só trabalham sob pressão.
Perfil: Simbolizando a espada do mundo, os nativos de Cavalo, quando canalizam as energias cósmicas de modo correto são: amáveis; eloquentes; hábeis; donos de si mesmos; espertos; atléticos; divertidos; charmosos; independentes; francos; energéticos; trabalhadores; sentimentais; alegres e sensuais. Porém se houver desvio na canalização podem se tornar: egoístas; fracos; coléricos; impiedosos; rebeldes; vulgares; sem tato; impacientes; insensíveis; e namoradores.
Personalidade: Os nativos deste signo são curiosos, irrequietos e versáteis. Interessam-se por actividades intelectuais e gostam de falar sobre elas. Adaptam-se facilmente ao ambiente e às pessoas. Tem inúmeras personalidades e podem viver várias experiências durante a vida, tirando delas grande prazer. Apreciam eventos e participam de programas relacionados com educação, comunicação ou campanhas eleitorais. Expressam-se bem e com eloquências. Por natureza gostam de se comunicar, são volúveis e agem dependendo do seu estado de humor. São também pessoas dotadas de mente rápida e aguçada. As decisões para elas são como que desafios: representam apenas interessante exercício intelectual. Esse signo não é dado, portanto, a indecisões ou demoradas ponderações. A independência, as novas aventuras e experiências são tesouros que os Cavalos prezam e cuidam com muita determinação. Adoram os ambientes agitados e movimentados e são capazes de fazer várias coisas ao mesmo tempo. Uma vida sem desafios rouba-lhes a alegria de viver. Por essa razão, gostam de mudar de ambiente, trabalho, casa, e não raro os Cavalos são tidos como pessoas inconsequentes ou irresponsáveis.

CABRA
O Signo da arte
Nome da Cabra em japonês: Hitsuji
Nº da sorte: 18
Estação do ano: Inverno
Mês em Portugal: Janeiro
Mês no Japão: Julho
Cor astral: branco
Dia Favorável: segunda-feira
Hora da Cabra: 13 às 15h
Direcção do signo: sul- sudoeste
Elemento fixo: Fogo
Polaridade: In (Energia Izanami)

Pessoas nascidas:
1907 | 1919 | 1931 | 1943 | 1955 | 1967 | 1979 | 1991 | 2003 | 2015

Espírito Luz Protector e Regente do Signo: Tsukiyomi-no-Mikoto (Deus da Lua). Energia que atua sobre a sensualidade, arte, sonho, contemplação, dependência e o amadorismo.
Mitologia de Tsukiyomi-no-Mikoto: Tsukiyomi, o Deus da Lua, é filho das divindades criadoras da terra “Izanami-no-Mikoto e Izanagi-no-Mikoto”. Energias conhecidas na filosofia Zenchi como In e Yô (Ying e Yang em chinês). Ele é o irmão do meio entre a Deusa do Sol, Amatera-su e o Deus das Tempestades, Suza-no-o.
Protectora da Sorte: Benten (Deusa das Artes e protectora do sexo feminino).
Destino: As pessoas nascidas sob o signo de Cabra são muito inquietas, nervosas e precisam estar sempre fazendo alguma coisa para se sentirem felizes. Não suportam o ócio nem a solidão. Têm muito orgulho de si mesmas e de suas habilidades. Dão muita importância à própria aparência. São muito afectuosas e sentimentais. Em relação à mentalidade, este signo representa a imaginação sonhadora e a tendência constante para meditar no passado. Amam a liberdade e se destacam em actividades que exigem pioneirismo e exploração.
Qualidades naturais: Os nativos de Cabra são pessoas tenazes, intuitivas, patrióticas, têm muito tato, sinceras, têm capacidade executiva, trabalham duro, sabem gerenciar fundos, são pacientes, perseverantes e protectoras dos interesses dos empregadores.
Defeitos: Os nativos de Cabra podem se tornar pessoas sempre na defensiva, preocupam-se demais, ciumentas, sensíveis à crítica, manipuladoras, pessimistas, egoístas, têm pouca auto-estima e possessivas.
Perfil: De paixão transbordante, os nativos de Cabra, quando canalizam correctamente as energias cósmicas são: elegantes; criativos; inteligentes; doces; simples; perseverantes; humildes; delicados; amorosos; maleáveis; altruístas e pacíficos. Porém se houver desvio na canalização das energias, podem se tornar: mesquinhos; pessimistas, detalhistas; insatisfeitos; caprichosos; comodistas; indisciplinados; dependentes e inquietos.
Personalidade: Os nativos deste signo são sensíveis, protectores e apreciadores da vida doméstica. Por natureza as pessoas de Cabra são simpáticas, tímidas e temperamentais. Tem imaginação fértil e são muito emotivos. Estão constantemente ajudando os outros e lutando por uma boa causa, o que satisfaz o desejo de ser útil. O estado de humor destes nativos, mudam rapidamente. Sentem-se atraídos por problemas que afectam grande número de pessoas e lutam em favor dos menos favorecidos. Seres gentis, generosos e compreensivos, mostram-se bastante ligados à vida doméstica e familiar. São considerados bons samaritanos. Os cuidados e as preocupações com as pessoas que amam beiram à super proteção, e não medem esforços para auxiliar os que passem por dificuldades. Por serem avessos à violência, preferem as lamúrias à brigas ou discussões. Sua relação com o passado e a valorização das lembranças podem se tornar uma mania bastante desagradável. Com grande tendência ao pessimismo, são sensíveis a críticas ou a palavras bruscas. Fazem de tudo para evitar conflitos e por essa razão, muitas vezes escolhem o caminho do comodismo e da passividade ociosa.

MACACO
O Signo da criatividade
Nome do Macaco em japonês : Sauru
Número da sorte: 1 e 19
Estação do ano: verão
Mês em Portugal: Fevereiro
Mês no Japão: Agosto
Cor astral: amarelo
Dia favorável: domingo
Hora do Macaco: 15 às 17h
Direcção do signo: Oeste-sudoeste
Elemento fixo: Metal
Polaridade: Yô (Energia Izanagi)

Pessoas nascidas:
1908 | 1920 | 1932 | 1944 | 1956 | 1968 | 1980 | 1992 | 2004 | 2016

Espírito Luz Protector e Regente do Signo: Amatera-su Omikami, a Augusta Deusa do Sol. Energia que atua na habilidade, inteligência, flexibilidade, diplomacia, adaptabilidade e o pragmatismo.
Mitologia de Amatera-su Omikami: Amatera-su Omikami, que literalmente significa Grande Augusta que Ilumina o Céu, é a principal Deusa dos japoneses. É dela que provem a origem da família imperial. Ela é filha das divindades criadoras da terra “Izanami-no-Mikoto e Izanagi-no-Mikoto”, irmão do Deus Susa-no-o-no-Mikoto, o Deus das Tempestades, e de Tsukiyomi, o Deus da Lua.
Protector da Sorte: Jurojin (Deus da Sabedoria e da Longevidade).
Destino: Os nativos de Macaco são criativos, inventivos e, às vezes, obstinados. Dão impressão de estar tudo bem mesmo que não esteja. São mestres do disfarce e fazem as pessoas pensarem deles, o que querem que as pessoas pensem. Embora sejam competentes no trabalho, não gostam de receber ordens e trabalham melhor por iniciativa própria. Este signo corresponde ao orgulho e ambição de dominar os outros pelo intelecto. Destacam-se no meio em que vivem. São líderes mesmo sem ocupar cargos. O Macaco se sente muito infeliz quando relegado a uma posição secundaria e detesta erros desnecessários.
Qualidades naturais: Os nativos de Macaco são pessoas idealistas, gentis, honradas, confiáveis, sinceras, responsáveis, têm capacidade administrativa e visão geral das coisas, criativas, dignas, amigas, generosas e tem fôlego incrível para o trabalho.
Defeitos: Os nativos de Macaco podem se tornar pessoas arrogantes, orgulhosas, sensíveis à crítica, intolerantes quando querem, temperamentais, agitadoras, indiferentes ao perigo e até cruéis.
Perfil: De personalidade marcante, os nativos de Macaco, sabem para onde dirigir suas energias. Se o fizerem no caminho correto serão: inteligentes; espirituosos; cultos; criativos; espertos; afáveis; inventivos; lúcidos; hábeis; independentes; activos; entusiastas; subtis; passionais; joviais e fascinantes. Mas se canalizaram para caminhos duvidosos, serão: vaidosos; irresponsáveis; dissimulados; oportunistas; imaturos; pouco escrupulosos; matreiros e manipuladores.
Personalidade: Os nativos deste signo são prepotentes, ambiciosos e ao mesmo tempo carismáticos. Tem espírito de liderança: comandam pessoas ou ocupam sempre o centro do palco. Seus objectivos são elevados e seu empenho em projectos grandiosos é reconhecido e elogiado. Esse signo confere a capacidade de resolver os problemas mais intrincados, pois como os mestres de xadrez, conseguem enxergar muito além dos outros. As pessoas de Macaco possuem uma inabalável alegria de viver e estão sempre atentas a tudo o que acontece à sua volta. Os fracassos significam apenas uma experiência a mais: jamais se dão por vencidas. Em geral se mostram bastante cuidadosas com as finanças e sabem resolver as questões nessa área com muita criatividade. Sempre fazendo planos mirabolantes, pois sentem necessidade de acção movimentada e desafiadora. Tendem a ser desleais quando convém, e vingam-se com facilidade usando o bom humor e astúcia. Como são muito curiosas e interessadas em tudo, revelam-se pessoas actualizadas e bem informadas.

GALO
O Signo da franqueza
Nome do Galo em japonês: Tori
Número da sorte: 2 e 5
Estação do ano: Outono
Mês em Portugal: Março
Mês no Japão: Setembro
Hora do Galo: 17 às 19h
Cor astral: verde
Dia favorável: terça-feira
Elemento fixo: Metal
Polaridade: In (Energia Izanami)

Pessoas nascidas:
1909 | 1921 | 1933 | 1945 | 1957 | 1969 | 1981 | 1993 | 2005 | 2017

Espírito Luz Protector e Regente do signo: Ayakashikome-no-Kami (Deus da Admirável Perfeição). Energia que rege a contabilidade, o trabalho burocrático, o heroísmo, quixotismo, utopia e coragem.
Mitologia de Ayakashikome-no-Kami: Ayakashikome é uma divindade pertencente ao Yami Yoshichidai, ou seja, a segunda geração de Deuses. Dentro desse contexto, ele faz parte dos cinco pares divinos, sendo parte complementar da divindade Omodaru-no-Kami (Divindade da Fisionomia Elaborada ou Aspecto Perfeito).
Protector da Sorte: Fukurokuju, o Deus da longevidade e popularidade (faz parte do conjunto dos Sete Deuses da Sorte e da Fortuna). Seu nome é composto pelos ideogramas fuku (felicidade), roku (riqueza) e ju (vida longa). Sua sabedoria é a sabedoria popular, que se aprende na universidade da vida e não nos livros.
Destino: Enquanto houver novidades e movimento as pessoas do signo de Galo se sentirão felizes, mas não se conformam em esperar que as coisas aconteçam. Fazem julgamentos precipitados sem saber o porquê das coisas. Não têm nada de covarde, mas estão sujeitos a sentimentos de culpa por sua inconstância. No casamento, devem escolher um par que, pelo menos, aprecie uma vida activa.
Qualidades naturais: os nativos de Galo são pessoas eficientes, tem boa memória, pacientes, práticas, pontuais, analíticas, de confiança, judiciosas, criteriosas e de mente aberta.
Defeitos: Os nativos de Galo podem se tornar pessoas críticas, pedantes, mesquinhas, extravagantes, intolerantes, não reconhece os próprios defeitos, profundamente melancólicas e preocupam-se demais.
Perfil: Anunciadores de um novo dia, os nativos de Galo, quando canalizam correctamente as energias cósmicas são: francos; alegres; divertidos; corajosos; desembaraçados; talentosos; generosos; sinceros; entusiasmados; conservadores; industriosos; elegantes; contemplativos; excêntricos; aventureiros; populares e seguros de si. Porém, quando as energias forem desviadas para caminhos duvidosos, serão: pomposos; pedantes; maníacos; pretensiosos; visionários; desconfiados; severos; amargos; didácticos; pouco perspicazes; desaforados; dissipadores e fúteis.
Personalidade: Os nativos deste signo são trabalhadores compulsivos, pessoas práticas e materialistas. O desejo de perfeição torna-os extremamente críticos, o que traz dificuldades para fazer amizades. Vivem estudando e aprendendo com as experiências do dia-a-dia, armazenando conhecimentos para usar quando necessário. Por natureza são ordeiros e se interessam por análises e pesquisas. Gostam de fazer críticas. Os nativos de Galo também são perfeccionistas. Possuem notável talento para as questões económicas, sendo capazes de malabarismos para conseguir estabilidade financeira. Adoram o trabalho, onde se mostram competentes, eficientes, pontuais e muitas vezes neuroticamente detalhistas. Podem ser bastante egoístas no que se refere à posições de destaque. Apreciam ser considerados e reconhecidos por suas capacidades. Por serem pessoas de natureza simples, preferem a rotina à agitação sofisticada ou fútil. Magníficos negociantes, não raro interferem na vida alheia apenas para evitar que as pessoas cometam erros nas questões financeiras.

CÃO
O Signo da lealdade
Nome do Cão em japonês: Inu
Número da sorte: 3 e 6
Estação do ano: Outono
Mês em Portugal: Abril
Mês no Japão: Outubro
Hora do Cachorro: 19 às 21h
Direcção do Signo: Oeste-noroeste
Cor astral: rosa
Dia da semana: sexta-feira
Elemento fixo: Metal
Polaridade: Yô (Energia Izanagi)

Pessoas nascidas:
1910 | 1922 | 1934 | 1946 | 1958 | 1970 | 1982 | 1994 | 2006 | 2018

Espírito Luz Protector e regente do signo: Kunino Tokotachi-no-Kami (Deus Eternamente Residente na Terra). Energia que rege a fidelidade, constância, devotamento, consciência, rotina, vigilância.
Mitologia de Kunino Tokota-chi: Kunino Tokota-chi, é a primeira divindade do Yami Yoshichidai (segunda geração de Deuses, composta por duas divindades e mais 7 pares divinos). Faz parte das forças componentes da criação do Universo e considerado o primeiro guardião da Terra.
Protector da Sorte: Bishamon é o Deus Guardião do Tesouro, (Faz parte do conjunto dos Sete Deuses da Sorte e da Fortuna).
Destino: As pessoas nascidas sob o signo de Cão amam a vida e as pessoas – a vida sem amor não teria significado para elas. Adoram fazer as pessoas se sentirem à vontade. Sempre conseguem o que desejam, de uma maneira ou outra, e são fáceis de lidar quando não são contrariados de frente. São muito românticas e as pessoas se sentem atraídas por seu calor humano e vivacidade. Tem sempre, na vida sentimental, ameaça de escândalo, de separação conjugal, ou então, um ciúme destrutivo.
Qualidades naturais: São pessoas charmosas, alegres, atraem dinheiro, ambiciosas, reconhecidas, diplomáticas, justas, refinadas, sensíveis, sinceras e respeitam a opinião pública. São muito românticas e as pessoas se sentem atraídas por seu calor humano e vivacidade. Tem sempre, na vida sentimental, ameaça de escândalo, de separação conjugal, ou então, um ciúme destrutivo.
Defeitos: São pessoas que detestam críticas, ambíguas, ciumentas, intolerantes, possessivas, egoístas e não suportam agressividade.
Perfil: Guardiões do carácter, os nativos de Cão, quando canalizam de modo correto as energias cósmicas são: magnânimos; nobres; corajosos; leais; inteligentes; atentos; desinteressados; modestos; altruístas; prósperos; filósofos; respeitáveis; discretos; dóceis e lúcidos. Porém, se as energias sofrerem um desvio, podem se tornar: inquietos; reservados; introvertidos; críticos; pessimistas; rudes; desagradáveis; cínicos e obstinados.
Personalidade: Os nativos deste signo gostam de seduzir, são românticos e sempre dispostos ao amor. Gostam de participar da vida social, de preferência em companhia de gente interessante. Apreciam as actividades artísticas como música, dança, ópera teatro e o mundo da moda; enfim, tudo que agrade o seu apurado senso estético. Por natureza os nascidos em Cachorro são bons companheiros, têm bom gosto e anseiam a harmonia. Signo da justiça e da afeição em geral os nascidos sob esse regente também dedicam a vida aos altos ideais de honra e moral. Muitas vezes são irónicos e, em sua ingenuidade, não percebem que, agindo desse modo, magoam os outros. Os meios- termos são motivos de sofrimento para eles, uma vez que não suportam a indefinição. A sinceridade e a franqueza são suas mais pronunciadas características. Têm um autocontrole muito desenvolvido, sendo capazes de suportar os reveses da vida com altivez. A impaciência pode ser um grave defeito, principalmente no trabalho e na família.

JAVALI
O Signo da honestidade
Nome do Javali em japonês: I (de Inoshishi)
Número da sorte: 4 e 9
Estação do ano: Outono
Mês em Portugal: Maio
Mês no Japão: Novembro
Hora do Javali: 21 às 23h
Elemento fixo: Água
Cor astral: vermelho
Dia: quarta-feira
Polaridade: In (Energia Izanami)

Pessoas nascidas:
1911 | 1923 | 1935 | 1947 | 1959 | 1971 | 1983 | 1995 | 2007| 2019

Espírito de Luz Protector e Regente do signo: O Deus Uhijimi-no-Kami (Divindade da Argila Terrestre). Energia que rege o epicurismo, materialismo, pacifismo, humorismo e os segredos.
Mitologia de Uhijimi-no-Kami: Uhijimi é a primeira divindade dos 5 pares de casais divinos, do grupo de deuses Yami Yoshichidai (Segunda geração de deuses da Alta Planície Celeste). Sua contraparte é Suhajini-no-Kamii (Senhora do Argila do Mundo). Desse casal teria originado a primeira espiga de arroz, e por isso o Japão foi chamado inicialmente de Mizuho-no-Kuni.
Protector da Sorte: Ameno Uzume-no-Mikoto (Deusa da Arte e da Sedução). Quando os Deuses chegaram na Terra, Ameno Uzume seduziu o chefe guerreiro Saruta Hiko a fim de evitar grande derramamento de sangue. Ameno é a Divindade que na Mitologia japonesa dançou para alegrar os Deuses quando Amatera-su Omikami, a Augusta Deusa do Sol se escondeu em uma caverna. Ela estava fortemente aborrecida e entristecida com as maldades que seu irmão Susa-no-o (Deus Impetuoso ou o Deus das Tempestades) fizera com ela quando foi visitá-la no Palácio da Deusa do Sol. Seus pais Izanagi e Izanami o exilaram para Yomi (Região dos mortos) quando perceberam que era impossível tolerar tantas maldades que esse Deus cometia na Terra. Teve como último pedido, se despedir da irmã Celestial. Contudo, apesar de mostrar-se arrependido, seu intento era mesmo o de aborrecer a irmã. Susa-no-o foi fortemente castigado após as 800 meríades de Deuses, terem conseguido convencer a Deusa do Sol Amatera-su a sair da caverna. Após o fato, o mundo voltou a contemplar seus raios solares resplandecentes.
Destino: As pessoas nascidas sob o signo de Javali são independentes e dedicadas. Gostam de fazer as coisas sozinhas, ao invés de esperar pelos outros. Têm muito orgulho das realizações de seus filhos como, por exemplo, notas altas nas escolas. A dedicação aos entes queridos é enorme e sacrificariam tudo por eles. Terão casamento feliz, contanto que evitem a interferência da família. Gostam de ler e podem ser excelentes escritores.
Qualidades naturais: Os nativos de Javali são pessoas realizadoras, determinadas, investigativas, manipulam dinheiro com cuidado, são ambiciosas, criativas, confiáveis, magnéticas, desenvoltas, perspicazes, tenazes e versáteis.
Defeitos: Os nativos de javali podem se tornar pessoas possessivas, impacientes, críticas, invejosas, ciumentas, intolerantes, sem tato e vingativas.
Perfil: Entre a prudência e a determinação, os nativos de Javali, quando conduzem de modo correto as energias cósmicas são: gentis; leais; escrupulosos; indulgentes; conscienciosos; cultos; sensuais; decididos; pacíficos; ternos; profundos e sensíveis. Porém, se não souberem conduzir as energias no caminho correto, podem se tornar: ingénuos; vulneráveis; inseguros; sarcásticos; fracos; tediosos; crédulos; vulgares e fáceis de serem enganados.
Personalidade: Os nativos deste signo são exigentes, persistentes e bastante interessados por assuntos sexuais. Seus negócios e actividades pessoais são bastante dissimulados. Seus desejos são intermináveis; sempre há algo a mais a alcançar. Quando apaixonados, os nascidos em Javali são extremamente ciumentos. Por natureza, são determinados, persistentes e criativos. Podem-se tornar consumistas compulsivos se não souberem controlar as energias. Esse signo dota as pessoas de simplicidade e honestidade, e elas, em geral, vêem-se cercadas de amigos. Gostam das boas coisas da vida, e quando exagerado, esse traço pode levá-las a uma desmedida valorização das paixões e dos prazeres materiais. Por serem demasiadamente compreensivas e generosas, tornam-se muitas vezes vítimas de enganos e traições. Essa confiança cega nas pessoas e a ausência de malícia, todavia, trazem tanto vantagens como desvantagens. Temem ferir as pessoas que admiram e não gostam de contradizê-las. São hábeis no trato com dinheiro e posses materiais.
Fonte: http://www.mundo-nipo.com/horoscopo/horoscopo-japones-horoscopo

Significado dos signos: Horóscopo dos gnomos

imagesCA0CZW7N

Horóscopo dos Gnomos

ÁRIES
(de 21 de Março a 20 de Abril)
Áries é um signo muito activo, energético, entusiasta e é regido pelo gnomo “HARUMH” que assessora o duende “VERNY”.
As pessoas nascidas sob signo de Áries são guerreiras, decididas, que sempre olham para o futuro. Possuem também um carácter colérico, emotivo, ansioso e extrovertido, que se traduz na constante necessidade de acção e pela impaciência, aspectos que são compensados por uma atitude moralista face à vida, às vezes exclusivista, intransigente ou, em certas ocasiões, até sectária. Psicologicamente, Áries é o signo da acção.
Entusiasmo cego, falta de perspicácia, precipitação, que levam a crises de desânimo, porém é nessas horas que deve pedir ao gnomo HARUMH para estar contigo, pois é ele que ajudará no aprendizado do controle da impulsividade e da impaciência.
Já o duende VERNY, é mestre na arte de encontrar saídas positivas e criativas à sua agressividade natural. É importante para a evolução espiritual dos arianos aprender a pensar nos demais e deixar de ter atitudes tão arrogantes, intolerantes e desagradáveis em sua vida.
Para invocar o gnomo HARUMH e o duende VERNY, acenda uma vela da cor violeta e queime um incenso de limpeza.

TOURO
(de 21 de Abril a 20 de Maio)
Touro é o signo da tranquilidade, dos pés assentados na terra e é regido pelo gnomo “ZOCOSS” e pelo duende “JEFYTE”.
As pessoas do signo de touro nasceram para criar raízes, manter costumes e tradições. De fato, não suportam mudanças. Aspiram a viver em condições confortáveis e estão sempre procurando uma segurança material que lhes permitam viver com toda a tranquilidade.
Como ZOCOSS é o gnomo administrador do dinheiro, sua ajuda será muito valiosa para que todo o taurino seja bem-sucedido nessas questões.
Já o duende JEFYTE deve ser invocado quando se procura um novo trabalho.
Para invocar o gnomo ZOCOSS e o duende JEFTE, acenda uma vela amarela, chame-os pelo nome e depois enterre 3 moedas douradas.

GÊMEOS
(de 21 de Maio a 20 de Junho)
Gémeos é o signo do poder de adaptação às circunstâncias mais variadas, da inteligência flexível e viva, da comunicação, da eloquência e da sociabilidade, que é regido pelo gnomo “GIAFAR” e o duende “CLION”.
Entretanto, os nascidos sob signo de gémeos, possuem temperamento melancólico, nervoso e emotivo. Despreocupação e frivolidade que engendram muitas vezes um comportamento irresponsável. Possuem também, a tendência para jogar com a sua vida muito mais do que vivê-la, tudo para não levar nada a sério e permanecer um eterno adolescente. Identificam-se com os outros por mimetismo, por jogo ou com a esperança de descobrir sua verdadeira identidade. Mais do que qualquer outro signo, Gémeos precisa do olhar dos outros para saber quem é.
O gnomo GIAFAR é o guardião amigo que lhe estenderá a mão no momento em que for invocado.
Juntamente com o duende CLION lhe ajudarão a aprender a dominar a impaciência, a ansiedade e o nervosismo que as vezes não permitem que se concretize adequadamente seus planos.
Para contactá-los lhes ofereça pedaços de pão de centeio com mel, que podem ser colocados em um pequeno prato e depositado em qualquer cantinho escuro da casa. Acenda, em seguida, uma vela verde e chame-os pelo nome.

CÂNCER
(21 de Junho a 21 de Julho)
Câncer é o signo do sonho, da sensibilidade, da ternura, da doçura, da imaginação e da memória tenaz que fixa e idealiza as recordações, acontecimentos e sentimentos ocorridos no passado para se proteger contra as incertezas do futuro. Esse signo é regido pelo gnomo “PAN” associado ao duende “YARK”.
Psicologicamente, os nascidos à luz desse signo, permanecem à nível do período da infância, carnal e sensitiva, aspirando sempre a reencontrar ou a preservar. Para os cancerianos, o amor é um conto de fadas, com príncipe e princesa encantada, mas também existe muitos monstros ameaçadores que devem ser enfrentados.
O gnomo PAN será um grande auxiliar quando importantes decisões na vida referem muita meditação e calma.
Será o duende YARK que entrará em acção para a calma se estabelecer, podendo-se assim, alcançar o pleno entendimento.
Para invocá-los acenda uma vela marrom e deixe uma oferenda de pão molhado no leite em qualquer jardim florido.

LEÃO
(22 de Julho a 22 de Agosto)
Leão é o signo da ambição por excelência, do feliz e radiante domínio das circunstâncias, das aparências, da necessidade de admiração, da aspiração à supremacia, características que podem dar lugar ao orgulho e à tirania.
Esse signo é regido pelo gnomo “RASCHIB” associado ao duende “EDOSS”.
O leonino é muito autoconfiante, justamente por ter como guardiões esses dois seres elementais.
RASCHIG é o gnomo que trabalha aumentando a auto-estima e realizando a limpeza do campo aurico.
Em seguida, o duende EDOSS complementa esse trabalho banhando a aura com seus raios de arco-íris.
Sempre que precisar uma dose extra desse tratamento que conduz à total harmonia, invoque-os acendendo uma vela de mel que deve ser colocada em cima de um desenho ou imagem de um arco-íris. Depois que a vela se apagar, queime a figura de papel do arco-íris e jogue suas cinzas em um jardim.

VIRGEM
(23 de Agosto a 22 de Setembro)
Virgem é o signo da ordem, da organização, da precisão, do espírito de serviço, da preservação dos bens adquiridos, da modéstia ou da humildade, que conduzem às vezes a pessoa nascida sob esse signo a subvalorizar-se ou subvalorizar os demais. Tem ainda, um temperamento interiorizado, com uma forte tendência de se fechar dentro de si mesmo.
Esse signo é regido pelo gnomo “MOBARAK” associado ao duende “OLDH”. Como os nascidos sob à luz desse signo almejam alcançar a perfeição, sempre haverá um desgaste físico e energético muito importante. Arrastados por seus sentimentos, os nativos desse signo podem inclusive perder a razão. Portanto, será necessário periodicamente, invocar seus espíritos guardiões para auxiliá-los.
O gnomo MOBARAK será de muita utilidade, principalmente quando o problema é com a saúde.
Seu associado, o duende OLDH, deve ser invocado quando o comprometimento é na região abdominal.

LIBRA
(23 de Setembro a 22 de Outubro)
Libra é o signo da justiça, da procura de equilíbrio, da harmonia, características que podem levar a pessoa nascida sob esse signo a responsabilizar-se por compromissos excessivos.
Esse signo é regido pelo gnomo “JENNY” associado ao duende “PYLOO”. Psicologicamente, esse signo corresponde à tomada de consciência da independência e das opções que essa implica. A partir daí, é como se o nativo desse signo tivesse de se preparar para transformar-se em um ser independente, preservando ao mesmo tempo suas experiências.
JENNY será um grande auxiliar para caminhar ao seu lado nessa jornada, pois ele trará equilíbrio no que se refere à relacionamentos amorosos. PYLONN, por sua vez transmutará todas as energias negativas para positivas com seus raios violetas.
Para invocá-lo basta acender uma vela da cor violeta e deixar ao lado um pratinho com um pouco de mel.

ESCORPIÃO
(23 de Outubro a 21 de Novembro)
Escorpião é o signo da paixão, dos impulsos, dos instintos, das forças psíquicas às vezes exaltadas, características que fazem do nascido sob esse signo uma pessoa idealista, extremista, indomável, às vezes excessivamente empírica, destrutiva ou auto-destrutiva. Esse signo é regido pelo gnomo “HARUKO” associado ao duende “SMARK”.
Os nativos de escorpião possuem um temperamento impulsivo, agressivo, instintivo, apresentando um gosto acentuado pelos mistérios, segredos, enigmas para resolver, estudos e análises profundas. Gosta de dominar intelectualmente e quando ama, aspira possuir o corpo e a alma do outro. Para os nascidos à luz desse signo não há meias medidas, e portanto, podem atrair para si muitos inimigos e muitas energias negativas.
HARUKO e SMARK podem ser grandes auxiliares, pois eles zelam pela protecção da pessoa que os invoca, encerrando-a em uma bolha dourada e não permitindo que nenhuma energia negativa a atinja.
Para invocá-los acenda uma vela dourada e chame-os pelo nome.

SAGITÁRIO
(de 22 de Novembro a 21 de Dezembro)
Sagitário é o signo da aventura, dos jogos da vida e da sorte, da expansão natural, da alegria de viver, que às vezes fazem do nascido sob esse signo uma pessoa que se deixa enganar, por ela mesma ou pelos outros, inconsciente ou pouco realista. Esse signo é regido pelo gnomo “OTBAT” associado ao duende “BASY”.
Os nativos de Sagitário são viajantes que aspiram a ampliar seus horizontes, sociais, geográficos e espirituais. Como são grandes jogadores, encontrarão no gnomo OTBAT toda a orientação necessária no que se refere ao tema de dinheiro.
Já o duende BASY lhe dará toda a ajuda nos jogos e em tudo que se refere a azar.
Para invocá-los acenda uma vela verde, chame-os e ofereça pedaçinhos de pão de centeio com mel. Depois enterre 3 moedas douradas no jardim ou em um vaso bem florido.

CAPRICÓRNIO
(22 de Dezembro a 20 de Janeiro)
Capricórnio é o signo da vontade ambiciosa, tenaz, lúcida, concentrada num objectivo único; do sangue-frio, do espírito lógico, racional e friamente calculista, características que fazem da pessoa nascida sob esse signo um ser distante, insensível e hermético.
Esse signo é regido pelo gnomo “MAGREBIN” associado ao duende “VIKRAN”. Psicologicamente, esse signo corresponde à tomada de consciência da independência do “EU”, revelada pela faculdade de discernimento. Essa faculdade empurra o nativo desse signo a isolar-se para poder explorar todos os seus recursos interiores.
MAGREBIN é o gnomo que com seus sete raios de poder revigora e dá entusiasmo para encarar a vida, para todos nascidos à luz desse signo.
O duende VIKRAN complementa esse trabalho afugentando todo o mal.
Para invocá-los, na noite de Natal ofereça-lhes uma taça de vinho, mel e avelãs.

AQUÁRIO
(de 21 de Janeiro a 19 de Fevereiro)
Aquário é o signo da liberdade individual, mas também das preocupações sociais e humanitárias, da solidariedade, da cooperação, das idéias originais, que fazem do nascido sob esse signo uma pessoa rebelde a qualquer disciplina, instável ou excêntrica.
Esse signo é regido pelo gnomo “IGOR” associado ao duende “RIMON”. Os nativos desse signo possuem ausência total de ambição e, portanto, encontrarão no gnomo IGOR um guardião da prosperidade e da harmonia. Outro grande aliado também será o duende RIMON, que do mesmo modo que todo o sagitariano, gosta de movimento e muitas brincadeiras, o que torna o ambiente a sua volta leve e alegre.
Para invocá-los plante 3 sementes de girassol, juntamente com três moedas douradas em um vaso de barro ou no jardim.

PEIXES
(de 20 de Fevereiro a 20 de Março)
Peixes é o signo da receptividade psíquica, da intensa sensibilidade emocional, anda em busca de fusão, de entrega, do amor absoluto, romântico, místico ou religioso, que fazem da pessoa nascida sob esse signo um ser idealista e irracional.
Esse signo é regido pelo gnomo “ELIO” associado ao duende “WULL”.
O nativo de peixes é idealista e inspirado, mas tem a tendência de alimentar angústias irracionais, de refugiar-se no auto-engano e de fugir do contacto ou do enfrentamento.
ELIO será o gnomo que irá auxiliar que ajudará os nativos desse signo a superar as grandes desilusões, dando-lhes todas as condições para saírem dessas depressões.
WULL também será de grande valia, pois ajudará no aumento da auto-estima.
Para invocá-los pegue uma casca de noz e coloque ali três grãos de milho, três trevos de três folhas e um cristal. Enterre esse tesouro e ofereça-o para WULL e ELIO.

Fonte: http://www.portalangels.com/horoscopo/horoscopos-diversos/horoscopo-dos-gnomos-2.html

Tarot da Patrícia: previsões semanais de 12 a 18 de Agosto

Previsões semanais de 12 a 18 de Agosto
icon_carneiro[1] Carneiro, 21 de Março a 20 de Abril
Planeta Regente: Marte – Elemento: Fogo

22

O Mundo
O MUNDO é a carta da perfeição, sucesso, realização, triunfo, harmonia.
PLANO AFECTIVO: Amor universal, irá distribuir amor e amizade por quem o rodeia, sentir-se-á feliz, com muita vontade de amar sem limites.
PLANO ECONÓMICO: Estará ou ficará melhor que nunca, realizado. Expansão no emprego, trabalhos ligados ao Turismo, entrada de dinheiro.
SAÚDE: Vai sentir-se rejuvenescido, cheio de energia, caso se encontre doente, vai sentir-se melhor, aproveite.

icon_touro[1] Touro, 21 de Abril a 20 de Maio
Planeta Regente: Vénus – Elemento: Terra

15

A Temperança
A TEMPERANÇA é a carta da paciência, harmonia, equilíbrio, conciliação, compatibilidade.
PLANO AFECTIVO: Relacionamento ou casamento de longa duração, harmonia. Caso inda não tenha o seu amor, poderá encontrar um verdadeiro.
PLANO ECONÓMICO: Estabilidade financeira e no emprego.
SAÚDE: Sentir-se-á renovado.

icon_gemeos[1] Gémeos, 21 de Maio a 20 de Junho
Planeta Regente: Mercúrio – Elemento: Ar

11

A Roda
A RODA simboliza mudanças na vida, fortuna ou ruína, o inesperado, surpresas.
PLANO AFECTIVO: Possível mudança de parceiro, novo amor, renovação do amor que tem com o seu par, aproveite o Verão.
PLANO ECONÓMICO: Mudança de trabalho ou trabalho novo, possíveis ganhos ou perdas ao jogo.
SAÚDE: Sentir-se-á renovado.

icon_caranguejo[1] Caranguejo, 21 de Junho a 21 de Julho
Planeta Regente: Lua – Elemento: Água

18

A Estrela
A ESTRELA simboliza optimismo, inspiração, fé, novas oportunidades, satisfação, amor, paz.
PLANO AFECTIVO: Romance, pureza, felicidade, curta o Verão.
PLANO ECONÓMICO: Sorte ao dinheiro, possível emprego novo e bom ou subida na carreira.
SAÚDE: Tome muito banho, de mar, piscina, cachoeira, coma comida saudável.

icon_leao[1] Leão, 22 de Julho a 22 de Agosto
Planeta Regente: Sol – Elemento: Fogo

09

A força
A FORÇA é a carta da energia, coragem, energia, realização pessoal…
PLANO AFECTIVO: Poderá ter um romance de Verão. Caso tenha parceiro, poderão ficar mais escaldantes com o calor.
PLANO ECONÓMICO: possível trabalho de grupo ou com parceiros, financeiramente é uma carta muito boa.
SAÚDE: Muita energia para esta semana.

icon_virgem[1] Virgem, 23 de Agosto a 22 de Setembro
Planeta Regente: Mercúrio – Elemento: Terra

10

O Eremita
O EREMITA é a carta da reflexão, do isolamento, do recolhimento, da descoberta interior, silêncio, solidão.
PLANO AFECTIVO: Tem necessidade de se afastar, de se isolar, contudo não se isole demasiado da sua relação. A reconciliação pode ser lenta, mas com sabedoria, poderá surgir. Não espere nada de novo esta semana. Continua na busca do seu grande amor.
PLANO ECONÓMICO: Neste momento, o dinheiro e a promoção que tanto espera, teimam em não aparecer. Dê tempo ao tempo e com paciência, as coisas surgirão.
SAÚDE: grande cansaço e desmotivação; arranje mais tempo para si.

icon_balanca[1] Balança, 23 de Setembro a 22 de Outubro
Planeta Regente: Vénus – Elemento: Ar

21

O Julgamento
O JULGAMENTO é a carta da reparação, de renascimento, progresso.
PLANO AFECTIVO: Irá reavaliar as suas relações, algo positivo sairá dessa avaliação.
PLANO ECONÓMICO: Regresso ao trabalho, negócios em família, possível herança.
SAÚDE: Caso tenha doenças crónicas, como asma, poderão voltar a aborrecê-lo.

icon_escorpiao[1] Escorpião, 23 de Outubro a 21 de Novembro
Planeta Regente: Plutão – Elemento: Água

20

O Sol
O SOL simboliza optimismo e alegria, sucesso, satisfação, amor, paz, harmonia, beleza.
PLANO AFECTIVO: Prepare-se para muito amor, afecto e felicidade.
PLANO ECONÓMICO: Bem-estar no trabalho, possível novo emprego, entrada de dinheiro.
SAÚDE: Excelente saúde ou melhoras consideráveis.

icon_sagitario[1] Sagitário, 22 de Novembro a 21 de Dezembro
Planeta Regente: Júpiter – Elemento: Fogo

04

A Imperatriz
A IMPERATRIZ simboliza fertilidade, gravidez, realização, evolução, bom senso.
PLANO AFECTIVO: Aproveite o Verão para flirtar com alguém ou divirta-se com o seu par.
PLANO ECONÓMICO: Boa carta de trabalho, se não tem, poderá arranjar um não tem, poderá a actividade compensadora, gasto de dinheiro em futilidades.
SAÚDE: Ansiedade, nervosismo.

icon_capricornio[1] Capricórnio, 22 de Dezembro a 20 de Janeiro
Planeta Regente: Saturno – Elemento: Terra

13

O Enforcado
O ENFORCADO é a carta da renúncia, sacrifício pelos outros.
PLANO AFECTIVO: Cuidado com os sacrifícios que faz em relação ao outro, não abdique das suas ideias ou coisas para outros.
PLANO ECONÓMICO: pode ter algumas dívidas ou dinheiro parado. Sem entradas financeiras.
SAÚDE: poderá ter problemas musculares e circulatórios.

icon_aquario[1]Aquário, 21 de Janeiro a 19 de Fevereiro
Planeta Regente: Úrano – Elemento: Ar

16

O Diabo
O DIABO é a carta da paixão, do impulso.
PLANO AFECTIVO: terá a tentação de “devorar” seu parceiro, arrisque, impressione, não seja obsessivo. Muito sensual, poderá atrair pessoas pela sua aparência, amores sem consequência.
PLANO ECONÓMICO: Vá com calma, controle a sua impulsividade ou deitará tudo a perder. Nada de rivalidades ou ciúmes, boa carta financeira.
SAÚDE: Cuidado com o sistema nervoso, febres, inflamações, tensão alta..

icon_peixes[1] Peixes, 20 de Fevereiro a 20 de Março
Planeta Regente: Neptuno – Elemento: Água

12

A Justiça
A JUSTIÇA é a carta do equilíbrio, estabilidade, boas intenções.
PLANO AFECTIVO: Tentará ser justo e fará com que as coisas funcionem de forma equilibrada para ambas as partes, o que igualmente poderá levar a separações ou uniões. Poderá conhecer alguém com interesses iguais aos seus.
PLANO ECONÓMICO: poderá ter um cargo profissional importante mas que não lhe dá prazer. Equilíbrio financeiro.
SAÚDE: sentir-se-á bem mas sem grandes novidades.

Patrícia de Portugal